sábado, 8 de dezembro de 2012

NÓS AVISAMOS, NÓS ALERTAMOS! AGORA AGUENTEM!



Não é de hoje que avisamos e alertamos que a Associação JP é utilizada, por alguns associados, para atendimento a interesses pessoais e de “amigos”. Desde a sua criação, em 1995, várias foram as situações onde a associação também foi utilizada para ajudar, beneficiar e privilegiar proprietários, inclusive “foras da lei”. Citamos como exemplos, a questão envolvendo a tentativa de transformar a área verde pública de preservação ambiental da rua Amendoeiras, onde dois proprietários, um deles fundador da associação, tentaram, para atendimento aos seus interesses, e sem consultar a comunidade, transformar a área verde, que possui nascente e córrego, em área para construção de prédios públicos e comércio.  Há também a questão da “legalização da invasão” da área verde da rua Jacarandás, onde a casa, a piscina e a área de lazer de uma proprietária foram construídas dentro da área pública. A associação foi utilizada, mais uma vez, também por esses dois proprietários, que são amigos pessoais da invasora, para ajudá-la a sair impune e sem ter que realizar nenhuma compensação ambiental pelos quase 15 anos de invasão. Não podemos esquecer também da questão envolvendo a abertura ilegal, criminosa, arbitrária, de trecho da rua Sagaranas que só existia no mapa. A síndica à época (2009), pressionada por alguns associados, mas principalmente por corretores de imóveis, arquitetou, dirigiu e comandou a execução do crime (isso não é ação típica de organizações criminosas e de quadrilhas, ou seja, um grupo de pessoas se reúne para arquitetar, planejar e cometer um crime?). Em todas situações, a comunidade não foi consultada e informada, sendo a mais prejudicada, assim como foi prejudicado, também, o meio ambiente.

E não pára por aí. Até mesmo a questão envolvendo a pavimentação da avenida Morro do Pires (foto acima) tem a ver com essas utilizações sujas, impróprias e antiéticas da associação. Também em 2009, mais uma vez, a síndica, que atualmente (2012) continua como diretora da associação, assinou o documento que colocou o principal opositor ao asfaltamento da avenida no CODEMA. Até uma faixa, parabenizando e exaltando esse proprietário, foi esticada, pela síndica, na principal entrada de acesso ao Jardins (foto acima). Tudo sem informar e consultar os associados. Hoje, como todos sabem, essa atitude da síndica, colocando esse proprietário no CODEMA, fez com que a questão da pavimentação virasse uma novela mexicana, ridícula, longa e que não acaba mais, prejudicando, mais uma vez, a comunidade, a coletividade. A associação, para tentar minimizar esse erro imperdoável, expulsou, baniu do seu Conselho Gestor, esse proprietário contrário ao asfaltamento. Mas, a síndica que o elegeu, que o apadrinhou, que deu a ele “poder” ao colocá-lo no CODEMA, continua, como diretora, atuando e se achando a “Deusa”. Já passou da hora dela também ser expulsa, ser banida da administração da associação, já que é corresponsável nessa questão envolvendo o proprietário/membro do CODEMA e a pavimentação, e pior, usando a associação sem o consentimento dos associados, assim como fez na questão da abertura ilegal da rua Sagaranas.

A continuar assim, ou seja, a associação sendo utilizada por pequenos grupos e por pessoas que buscam atendimento aos seus interesses pessoais e de “amigos”, essa instituição corre o sério risco de ter que fechar suas portas, como quase ocorreu em 1999(*), já que a insatisfação e descrença dos proprietários/associados éticos, honestos, corretos, que querem uma instituição forte, imparcial e que atenda as necessidades da comunidade, da coletividade, sempre dentro da lei, sem privilégios e benefícios individuais ou de panelinhas, é grande, e está cada vez mais aumentando.

(*) Os gestores da associação em 1999 eram os dois proprietários relacionados nesse texto nas questões das áreas verdes públicas 

"Se quiser por à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder".  ( Abraham H. Maslow )

Temas relacionados à questão acima:  

"Protestamos, CODEMA!":
 http://preservejp.blogspot.com.br/2009/05/blog-post.html

"Oportunistas agindo novamente?": 
http://preservejp.blogspot.com.br/2010/12/oportunistas-agindo-novamente.html 

"Abertura ilegal da rua Sagaranas":
http://www.preservejp.blogspot.com.br/2012/09/crime-com-aval-de-diretor-de-orgao.html 

"Legalização de invasão no Jardins": 
 http://www.preservejp.blogspot.com.br/2012/08/prejuizo-ao-meio-ambiente-e-coletividade.html
 
Luís Lemos

domingo, 11 de novembro de 2012

MAIS UMA AMEAÇA AO EQUILÍBRIO DA BIODIVERSIDADE


Enquanto no Jardins só se discute como aumentar a arrecadação, sendo essa a principal preocupação de seus “comandantes”, que estão “perdidos no meio de tanto medo de não conseguir dinheiro pra comprar sem se vender”(*), a biodiversidade da região sofre com mais uma ameaça:

Colônias de gatos domésticos se espalham pelo residencial, ameaçando e colocando em risco a riquíssima avifauna (imagem acima). Proprietários estão criando gatos sem os cuidados que deveriam ter, como a castração, para que não procriem e se proliferem descontroladamente. A posse responsável, como no caso dos cães, também não está sendo adotada. Há proprietários que possuem mais de uma dezena de gatos, entre fêmeas e machos. Já é comum no Jardins, depararmos com esses animais pelas ruas, áreas verdes e em propriedades cujos proprietários não querem tê-los.

O Jardins é habitat de diversas espécies de aves, inclusive raras, da Mata Atlântica, como saíras, tangarás, beija-flores, gaturamos, pica-paus, arapaçus, sabiás, guaxes, sanhaços, trinca-ferros, tico-ticos, periquitos, jacus, tucanos, bentivis, entre várias outras. A introdução de gatos numa região que é de preservação ambiental, e com um ecossistema muito sensível, deveria ser evitada. Os gatos, não sendo alimentados adequadamente, tornam-se exímios predadores dos pássaros, principalmente de seus ovos e filhotes. As aves já têm como predadores naturais os micos-estrelas, gambás (que comem os ovos), gaviões e algumas espécies de serpentes. Com a introdução dos gatos, a avifauna fica ainda mais ameaçada, já que eles sobem com muita facilidade em árvores e nos locais onde há ninhos.

A maioria dos proprietários que cria gatos alega que eles servem para livrar suas casas de ratos (na região do Jardins, os ratos existentes são os silvestres, pelo menos ainda). Os ratos silvestres tem como predadores naturais as serpentes, motivo pelo qual, gatos não são necessários para espantar ou se alimentar desses animais.

A situação chegou a tal ponto, que moradores que não criam gatos, justamente para poderem ter e ver pássaros e ninhos bem próximos às suas residências, estão relatando que suas propriedades estão sendo invadidas pelos felinos, principalmente os criados por seus vizinhos. As fêmeas, segundo alguns desses moradores, estão dando cria no meio da mata de seus terrenos. Com isso, o miado dos filhotes, principalmente à noite e durante as madrugadas, incomoda muito, além de deixar os cães muito nervosos, fazendo com que comecem a latir descontroladamente, provocando intenso barulho, alvoroço, e tirando a tranqüilidade de quem quer paz e precisa descansar e dormir.

Até quando a biodiversidade do Jardins resistirá a tanta insensatez e desrespeito?! E o pior, é que o discurso, tanto de proprietários, quanto da associação de moradores é de preservação e proteção. Mas é só discurso, ou melhor, pura hipocrisia.

Fotos: Luís Lemos – Pássaro: fim-fim - Euphonia chlorotica (Linnaeus, 1766) – Fonte: wikiaves.com.br  - Ambas as fotos (pássaro e gato) foram tiradas no Jardins de Petrópolis

 (*) Trecho da música Fátima – Letra: Flávio Lemos, Renato Russo

“Jardins de Petrópolis: residencial referência em mau (péssimo) exemplo no trato e cuidado com a natureza”  Luís Lemos

domingo, 28 de outubro de 2012

CRIANÇAS EM PERIGO NO PARAÍSO(?) JARDINS DE PETRÓPOLIS

O texto a seguir relata questão envolvendo crianças, meio ambiente, fauna silvestre, saúde pública, posse irresponsável, assassinatos, impedimento do direito de ir e vir de cidadãos, desrespeito às leis e à coletividade, omissão, impunidade e, na opinião de muitos leitores do blog, crime de prevaricação.

Criança violentada, estuprada(¹); crianças atacadas por cães; crianças em risco de serem atropeladas por veículos em alta velocidade dirigidos por proprietários, entre eles, diretores do "Condomínio" Jardins de Petrópolis. Fauna silvestre morta por cães; cães assassinados. Esses são alguns dos perigos e situações monstruosas e gravíssimas existentes e ocorridas com seres vivos no Jardins de Petrópolis, residencial cujos proprietários e moradores são de classe média/média alta, sendo a grande maioria de BH, que buscam tranqüilidade e qualidade de vida junto a um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica da RMBH.

Um dos problemas mais graves diz respeito a cães. No último dia 09 de agosto, um menino de dez anos foi mordido por um cão. A mordida furou e rasgou sua perna provocando intenso sangramento. A criança foi encaminhada ao hospital e perdeu dias de aula (foto abaixo). As crianças, principalmente filhos(as) de trabalhadores das propriedades são as que mais correm perigo. Muitas têm que se deslocarem a pé, principalmente para pegarem as vans escolares, e geralmente não vão acompanhadas pelos pais, o que torna o trajeto mais perigoso (clique nas imagens para ampliá-las).


No mês de maio de 2008, uma outra criança, à época com oito anos, foi atacada por cão de proprietário solto na rua Amendoeiras. O pai, ao defender seu filho, teve sua calça e seu sapato rasgados pelo cão (reportagem ao lado). Em março de 2010, seis cães de um proprietário, todos soltos na rua Jequitibás, atacaram e mataram um cãozinho de estimação da raça Poodle Toy, de uma família de propriedade vizinha. No mês de agosto desse ano, um rapaz que foi buscar a namorada em uma propriedade foi mordido por um cão de uma diretora do condomínio, solto na rua Jequitibás. Segundo o rapaz, ele passava de moto quando o cão o atacou, mordendo seu pé e quase o derrubando da motocicleta, podendo ter causado um grave acidente. Ainda no mês de agosto, no dia 18, um caminhante foi atacado por um cão da raça Rottweiler, solto na rua Sagaranas. O caminhante só não foi ferido porque estava com um porrete que, em legítima defesa, teve que usar para conter o animal (foto abaixo).


Não sabemos mais a quem, a qual instituição recorrer para que essa questão envolvendo cães tenha fim. Vários ofícios já foram encaminhados ao condomínio, mas nenhuma providência é tomada. Um dos diretores dessa instituição, morador da rua Jacarandás, possui vários cães soltos (em torno de seis) em uma das áreas mais preservadas e ainda intocadas do residencial. A sua propriedade sequer possui cercamento, e ele sempre passeia com seus cães, todos soltos, pelas ruas do Jardins (foto abaixo). 


A falta de respeito, o descaso, a afronta às leis e a certeza da impunidade são tão comuns, que um dos diretores de meio ambiente do condomínio, morador da rua Manacás, e que tem três cães que ficam soltos (sua propriedade também não possui cercamento), comentou no site dessa instituição, ironizando, que "quem se sentir incomodado com os cães soltos, que chame a carrocinha" (comentário n° 37 – ver também comentários n° 35 e 38 em http://www.jardinsdepetropolis.com.br/?p=2109 ). A ex-síndica (gestão 2008/2009) e atual diretora do condomínio, declarou no informativo dessa instituição (Ed. n° 29, pág.8, junho/2008), que “os cães soltos pelas ruas, fotografados pelo nosso “vigilante do meio ambiente”, não passam de vira-latas inofensivos dando sua passeada diária, cochilando e brincando nas nossas ruas poeirentas”. 

Há situações de impedimento do direito de ir e vir das pessoas que querem ou precisam transitar a pé, fazer caminhadas e praticar esportes. Elas estão sendo impedidas por cães soltos e ferozes. Pessoas da terceira idade, que por recomendação médica precisam fazer suas caminhadas diárias, não as estão fazendo devido ao medo de serem atacadas pelos cães. Praticantes de cooper estão tendo que correr “armados” com pedras, para se defenderem dos cães. A esposa de um caseiro, com filho recém nascido, tem sempre que passar a pé, levando o menino no colo, em frente à propriedade da diretora do condomínio, moradora da rua Jequitibás, e cujo cão solto atacou o motociclista citado no começo desse texto. Ela já afirmou várias vezes que tem medo de ser atacada pelo cão, principalmente quando está com seu filho. 

Todos os cães soltos são de proprietários, e como já foi dito, vários são de diretores do condomínio. A maioria é de raça e de grande porte, como Rottweilers, Pit-Bulls, entre outras. Há também cães de menor porte, mas que também incomodam, ameaçam e atacam. A situação chegou a tal ponto, está tão fora de controle, que existem casos, segundo relatos de alguns caseiros, onde proprietários e trabalhadores que se sentem ameaçados e prejudicados pelos cães soltos estão assassinando-os, por envenenamento, por estarem entrando em suas propriedades e atacando outros animais de estimação e de criação. 

Segundo um caseiro, um dos cães de sua patroa, que ficava solto, entrava em uma propriedade vizinha, atacando cabritos. O dono dos cabritos solicitou à dona do cão, várias vezes, que o mantivesse preso, inclusive ameaçando envenená-lo. Ainda segundo o caseiro, sua patroa não tomou providências, e o animal apareceu morto. E esse não foi o único caso. Em 2009, o próprio condomínio noticiou no seu informativo, o Petrofalante, de 07/08/2009, que o corpo de um cão foi encontrado, provavelmente envenenado, no dia 25 de julho daquele ano, em uma vala da rua Ipês Amarelos. Em 2010, um outro cão morto foi encontrado jogado na mata do final da rua Cedros, que é sem saída. Em 2005, um cão da raça Pit-Bull entrou em uma propriedade e matou um novilho. Tempos depois, o cão desapareceu. Um outro caseiro nos informou que soube de um rapaz que vem de motocicleta de Nova Lima trabalhar no Jardins, e que de tanto ser perseguido e ameaçado por cães que correm atrás de sua moto, começou a trazer consigo, garrafa pet com gasolina, para jogar nos cães e atear fogo. 

Outro agravante, se refere ao fato da região do Jardins ser área de preservação ambiental, com inúmeras espécies da fauna silvestre brasileira. Os cães estão afugentando e matando esses animais. Em 2004, dois cães da raça Rottweiler, soltos na rua Pinheiros, atacaram e mataram um filhote de veado mateiro, animal ameaçado de extinção. Esse é só um dos casos, e existem outros que não são divulgados. E o mais impressionante é que o superintendente do IBAMA em MG, órgão responsável pela fiscalização, defesa e proteção da fauna silvestre, é associado e ex-diretor do condomínio, e sempre teve conhecimento dessa questão dos cães soltos. Esse fato não pode ser configurado como crime de prevaricação?(²) 

O Jardins ainda possui baixa taxa de ocupação, estima-se que em torno de 15 % (dos 843 lotes, em torno de 100 possuem residências, e desse número, em torno de 40 são habitadas por moradores, e o restante, habitadas somente nos finais de semana). Ainda assim, a questão dos cães já é um caos, está fora de controle. Ficamos imaginando como será quando os 843 lotes estiverem ocupados, com mais cães, cujos proprietários não tem a posse responsável e muitos sequer fazem o cercamento de suas propriedades. O impacto ambiental causado pela população canina é enorme.  


CONDOMÍNIO E MINISTÉRIO PÚBLICO

Podemos comparar essa questão dos cães à questão do trânsito de motos de trail, que durante duas décadas incomodou e ameaçou moradores e impactou o meio ambiente da região do Jardins, assim como os cães estão fazendo. O condomínio, quando resolveu se empenhar para o fim do trânsito das motos, conseguiu, junto com o Ministério Público Estadual. A principal bandeira levantada foi a ambiental. O condomínio chegou a contratar empresa de segurança armada para impedir a entrada das motos de trail no residencial. A síndica na gestão 2008/2009, e atual diretora do condomínio, e que declarou que os cães soltos não passam de vira-latas inofensivos, chegou a ficar, pessoalmente, na principal entrada de acesso ao Jardins, barrando os treieiros e até mesmo moradores que queriam ir para suas casas em suas motos. Com essa atitude arbitrária, ela foi parar na delegacia de polícia e o condomínio sofreu um processo judicial, no qual foi condenado. Essa questão dos cães é mais prejudicial ao meio ambiente e às pessoas do que a questão dos treieiros. Os moradores e proprietários que mantém cães soltos estão entre os que sempre foram contra o trânsito das motos de trail, mas não se importam, não ligam a mínima em deixar seus animais soltos, incomodando, prejudicando o meio ambiente e colocando em risco a integridade física das pessoas, como era quando as motos de trail transitavam na região. E por que nessa questão dos cães, o condomínio, juntamente com o MPE, não age com o mesmo empenho e determinação que agiu na questão dos treieiros?  

Cabe-nos ressaltar, que os cães não são culpados, mas, sim, os proprietários que não adotam a posse responsável, desrespeitando e prejudicando a comunidade, a coletividade, além de envolver também a saúde pública, já que os cães podem transmitir a raiva e doenças como a leishmaniose. Vários cães já tiveram que ser sacrificados e duas pessoas já contraíram leishmaniose no Jardins (dados de 2005 da Sec. Munic. de Vigilância Sanitária). Mas a culpa é também do condomínio e do poder público, que não estão agindo para que as leis sejam respeitadas e cumpridas.

Tentamos publicar essa informação de ocorrências de ataques de cães no site do condomínio, para ampla divulgação, mas estamos sendo impedidos, censurados. Enquanto isso, essa instituição vem aumentando sua arrecadação a cada mês (sua arrecadação anual está em torno de R$ 800.000,00 – oitocentos mil – fonte: balancetes de 2012), e a região do Jardins, que não possui licenciamento ambiental, a cada dia tem o número de obras e construções aumentado, e cães sendo introduzidos de forma irresponsável no sensível ecossistema local.  



Também causa indignação, ver minha família pagando, jogando fora R$ 400,00 (quatrocentos) mensalmente de taxa condominial para ajudar a sustentar essa instituição hipócrita, mentirosa, omissa, fraca, medíocre, sem moral, ineficiente, incompetente, refém de seus associados, e que privilegia, defende e protege “foras da lei”, além de cometer crimes ambientais e de ser, também, parceira da especulação imobiliária. Ela também dedura aos proprietários que cometem irregularidades e crimes ambientais, e tenta desqualificar, inclusive praticando bullying, os cidadãos que buscam exercer a sua cidadania, lutando pela proteção e preservação ambiental. Com isso, ela colabora para que a integridade física desses cidadãos fique ameaçada.  




 Crédito das fotos : Luís Lemos

 “A responsabilidade civil decorre da prática de atos ilícitos, decorrentes de uma ação ou omissão, nos termos do art. 927 do Código Civil. Compete ao síndico, diante da evidência de práticas que possam prejudicar o meio ambiente, tomar as medidas cabíveis, sob pena do condomínio vir a responder perante aos órgãos públicos, em especial junto ao Ministério Público. Caso o síndico não tome as devidas providências poderá haver demandas contra o condomínio, que acabará por afetar o bolso dos demais condôminos que serão penalizados com multas aplicadas pelo Poder Público.” (Kênio Pereira – advogado)

(¹) O estupro da criança, segundo informações que tivemos, foi em um menino (sexo masculino) de nove anos, e ocorreu no mês de março desse ano. Após o ocorrido, houve um debate na sede do condomínio sobre o assunto, promovido pelo Conselho Tutelar de Nova Lima

(²) Crime de prevaricação - Conceito e objetividade jurídica: Art. 319 do Cód. Penal: "Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoaI”. Prevaricação é, na lição de Magalhães Noronha 3, infidelidade ao dever de ofício, à função exercida. É a não realização de conduta obrigatória, através de não cumprimento, retardamento ou concretização contra a lei, com a destinação específica de atender a sentimento ou interesse próprio. O objeto jurídico tutelado é o bom funcionamento da atividade pública, a qual não pode compactuar com o proceder do funcionário que deixa de lado seus deveres, para satisfazer seu próprio interesse. Tutela-se o interesse da administração pública. (Fonte: http://www.dantaspimentel.adv.br/jcdp5118.htm acesso em 22/09/2012)

Convenção do condomínio Jd. de Petrópolis – Capítulo 9 – Generalidades – Item 9.12:
Os cães, principalmente os de maior porte, deverão ser objeto de maiores cuidados por parte de seus donos, somente saindo às ruas, adequadamente contidos, preferencialmente usando enforcadores, focinheiras, e conduzidos por pessoa responsável. Devem ser mantidos distantes dos acessos às APPs para proteção da fauna, flora e mananciais.

Estatuto do Condomínio Jardins de Petrópolis – Art. 4°, das Finalidades, letra c:
Buscar a preservação da qualidade do meio ambiente, incluindo espécies animais e vegetais, objetivando a prevenção contra o uso indevido e danoso das mesmas, em todas as áreas de sua propriedade e nas áreas circunvizinhas, promovendo, por meios administrativos ou judiciais, a proteção ao meio ambiente, ao patrimônio artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico;

Links de vídeos de cães soltos, entre eles, de diretores do condomínio: 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

ELEIÇÕES, ESCÂNDALO E MEIO AMBIENTE EM NOVA LIMA

Em 2006, o vereador citado nessas reportagens foi o relator, na Comissão de Meio Ambiente da Câmara de Nova Lima, de um projeto de lei que visava legalizar invasão em uma área verde PÚBLICA de preservação ambiental no "Condobairro" Jardins de Petrópolis. A casa, a piscina e a área de lazer de uma proprietária de chácara foram construídas dentro da área pública. Essa proprietária teve o apoio e a ajuda, através de lobby fortíssimo junto à Prefeitura e à Câmara, de um dos fundadores e ex-síndico do “Condomínio” Jardins de Petrópolis, e que é, atualmente, um dos membros do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do municipio, e também um dos líderes do Movimento SOS Nova Lima.

Esse vereador, e hoje, também candidato a prefeito, deu parecer favorável e aceitou exatamente o que a invasora e seu amigo lobista pleitearam junto à Prefeitura e à Câmara para a legalização da invasão. Não houve debate com a comunidade, audiência pública, compensação ambiental, prejudicando o meio ambiente, o patrimônio público, a comunidade, a coletividade. Ao lermos as reportagens, questionamos: será que pode ter havido alguma irregularidade, alguma falcatrua, também nessa questão envolvendo a área pública do Jardins de Petrópolis?! A votação do projeto foi realizada em sessão extraordinária em um sábado, oito horas da manhã (a Câmara funciona aos sábados?!). Com a votação e aprovação do projeto foi criada a Lei 826/2006, exclusivamente para atender aos interesses da invasora. Quanto privilégio! Uma lei municipal feita para uma única pessoa que nem de Nova Lima é!

Naquela época, enviamos essa questão ao Ministério Público, Comarca de Nova Lima. Em 2011, o MP elaborou um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, que ficou excelente, e que iria fazer justiça e beneficiar a coletividade, a comunidade e o meio ambiente, já que o TAC determinava que a prefeitura e a invasora teriam que realizar, pelos quase 15 (quinze) anos de invasão, compensações ambientais em duas áreas verdes públicas do bairro. Infelizmente, e para nossa surpresa, o MP voltou atrás e desistiu do TAC, e as compensações não foram realizadas, frustrando e decepcionando os cidadãos que valorizam e querem o patrimônio PÚBLICO e ambiental respeitados, protegidos e preservados. Mas não desistiremos da luta para que justiça seja feita.

Acesse e leia as reportagens em:  

Luís Eduardo Lemos - PreserveJP - Jardins de Petrópolis

domingo, 16 de setembro de 2012

JARDINS DE PRIMATAS

Espécie de primata filmada no Jardins de Petrópolis. Segundo a bióloga Cláudia Costa, especialista em primatas, e que participou da elaboração do Estudo de Impacto Ambiental – EIA de um grande e recém inaugurado residencial em Nova Lima, essa espécie anda sumida da região. Segundo ela, essa aparição é um indicativo que podem estar voltando a povoar o, cada vez mais fragmentado, bioma Mata Atlântica ainda restante no município. Para nós, é um privilégio poder presenciar e registrar esses animais da fauna silvestre, tão ameaçada e prejudicada pelo bicho homem.

 

Luís Lemos

domingo, 2 de setembro de 2012

CRIME COM AVAL DE DIRETOR DE ÓRGÃO AMBIENTAL

“Quando os homens são puros, as leis são desnecessárias.
Quando os homens são corruptos, as leis são inúteis.” (Disraeli)

No Jardins de Petrópolis, crime ambiental é decidido e aprovado em Assembléia, e com aval de diretor de órgão ambiental.

Julho de 2009: Em questão envolvendo abertura de trecho de rua que só existia no mapa, a Associação (“Condomínio”) Jardins de Petrópolis desmatou, na marra, sem licenças ambientais, 4.250 m² (quatro mil duzentos e cinquenta) de vegetação em estado avançado de regeneração do bioma Mata Atlântica, segundo consta em Boletim de Ocorrência da Polícia Ambiental. Desse total, 360 m² em área de preservação permanente (margens de córregos e nascentes). Centenas de árvores de pequeno, médio e grande porte foram cortadas pela motoserra do condomínio (clique nas imagens para ampliá-las).

A Associação foi autuada e multada pela Polícia Ambiental, e a área desmatada embargada. Não respeitando a autuação e não dando a mínima importância à multa que recebeu, a Associação desobedeceu ao embargo e realizou a terraplenagem da área desmatada, incluindo a área de preservação permanente. A terraplenagem foi feita por trator da prefeitura para destocar as raízes das centenas de árvores cortadas e abrir acesso em uma extensão de quase 2 km. A prefeitura foi enganada pela Associação, que não informou sobre o embargo. Com a desobediência ao embargo, a prefeitura também foi autuada, e a Associação autuada e multada novamente. O impacto ambiental causado em toda área, mas principalmente no córrego, foi enorme. Com as chuvas houve, e está havendo, carreamento de grande volume de terra para o córrego, provocado pela retirada da vegetação, das árvores e pela terraplenagem.

Além desses fatos, a Associação também mentiu para a opinião pública, e tentou desqualificar a Polícia Ambiental, publicando em informativo distribuído em todo município, informações de que o Boletim de Ocorrência não dizia a verdade. Esse fato gerou, por parte da Polícia de Meio Ambiente, Direito de Resposta. Essa questão do desmatamento e terraplenagem foi encaminhada à Promotoria de Meio Ambiente.

25 de julho de 2012: A Associação publica em seu site, Ata da Assembléia Geral Ordinária realizada em 28 de março de 2009, onde relata que a decisão para o desmatamento e terraplenagem ilegais, que ocorreriam três meses depois, foi decidida e aprovada em Assembléia. Na Ata, vemos que a Associação está determinada e não se importa em desrespeitar as leis, já que, com fartos recursos financeiros, não acha que há problema em pagar multas e arcar com despesas advocatícias e judiciais. A seguir, trechos da Ata: 

(*) proprietário e morador do Jardins, ex-síndico(2007) e ex-diretor (2009) da Associação JP

Baseados no que consta na Ata, questionamos:
  • Um conselheiro da Associação Jardins de Petrópolis consultou um diretor de órgão ambiental sobre licenciamento para desmatamentos, e este afirmou que para desobstruir logradouros públicos não há necessidade de licenças ambientais. O Jardins de Petrópolis possui várias áreas verdes públicas e outras ruas que não foram abertas, possuindo densa vegetação com árvores de pequeno, médio e grande porte da flora nativa brasileira, como ipês, jacarandás, jequitibás, cedros, entre outras. Quer dizer então, segundo afirmou o diretor do órgão ambiental, que qualquer cidadão ou instituição, como a Associação, pode cortar árvores, pode desmatar, pode abrir acessos, sem que sejam necessárias licenças ambientais, por serem áreas públicas?;
  • Quem é esse diretor, e qual o órgão ambiental a que ele pertence? Ele também não poderia ser responsabilizado pelo desmatamento ilegal cometido pela Associação JP?;
Não é de hoje que denunciamos que a Associação Jardins de Petrópolis não mede esforços para defender os interesses de seus associados, mesmo que para isso, leis tenham que ser desrespeitadas. Na nossa denúncia ao MP, sobre essa questão do desmatamento e terraplenagem ilegais, relatamos que a Associação não ligava a mínima para pagar multas e sofrer processos judiciais, porque tem dinheiro de sobra para pagar as custas e despesas judiciais, se achando poderosa e “intocável”. Agora, a nossa afirmação foi confirmada na sua própria Ata.

A Associação está arrecadando de seus associados, anualmente, quase R$ 800.000,00 (oitocentos mil) e tem para receber de “inadimplentes”, mais de R$ 1.700.000,00 (hum milhão, setecentos mil - fonte: balancetes da Associação de abril/2011 a junho/2012). Pelo que podemos comprovar na Ata, a Associação se acha acima das leis, já que está com o faturamento em alta e com dinheiro sobrando. E não pára por aí. Sempre determinada em conseguir o que almeja, ela também entra na Justiça, com pedidos de liminares, para continuar desmatando Mata Atlântica, tudo para favorecer seus associados. No mês de dezembro de 2010, ela o principal corretor que atua na região, que é também seu associado, entraram, juntos, com ação na Justiça (processo n° 0095002-32.2010.8.13.0188) contra o Instituto Estadual de Florestas – IEF e a prefeitura, para desmatarem vegetação em avançado estado de regeneração de trechos de ruas que só existem no mapa, e cujo principal objetivo é a venda de lotes.

A Associação tem o dever e a obrigação institucional e legal de agir para a proteção e preservação ambiental, e não tem o direito, só porque acha que tem dinheiro, de cometer crimes contra o patrimônio público e ambiental, afrontando as leis, os órgãos ambientais e as autoridades policiais. Ela não pode ficar impune nessa questão, e deve ser exemplarmente punida. Somente assim, esses e outros casos de degradação que vem ocorrendo na região do Jardins poderão ter fim.  

Baseados nessas considerações, solicitamos ao Ministério Público:

1.   A apuração desse novo fato que diz respeito à decisão tomada em Assembléia, para realização do desmatamento e da terreplenagem ilegais;
2.      A identificação do diretor do órgão ambiental e do órgão a que ele pertence;
3.      A possibilidade de também responsabilizar esse diretor de órgão ambiental;
4.    Faz alguns meses, o Tribunal de Justiça de MG divulgou notícia sobre questão envolvendo desmatamento de Mata Atlântica, onde o Ministério Público conseguiu, através de uma ação, condenar um desmatador a pagar R$ 20.000,00 (vinte mil) por dano moral à coletividade (http://www.tjmg.jus.br/anexos/nt/noticia.jsp?codigoNoticia=43199). Nessa questão do desmatamento ilegal no Jardins de Petrópolis, que também envolve desmatamento de uma área  com quase 5.000 m² de Mata Atlântica, não poderia ser utilizada também contra a Associação, a punição por dano moral à coletividade?

Membros do Conselho Gestor do "Condomínio" à época do CRIME:


“Enquanto a Associação (“Condomínio”) Jardins de Petrópolis e os proprietários que cometem crimes contra a natureza não forem processados e responsabilizados judicialmente, enquanto não sofrerem pesadas multas, a riquíssima biodiversidade do Jardins continuará sendo desrespeitada, agredida e destruída. A Associação é corresponsável, e até mesmo conivente, com os crimes ambientais que ocorrem na região” (Luís Lemos)

Mais sobre essa questão (o primeiro link é do vídeo do desmatamento e terraplenagem):

Luís Eduardo Lemos

domingo, 26 de agosto de 2012

PREJUÍZO AO MEIO AMBIENTE E À COLETIVIDADE

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA
QUE PAÍS É ESSE?!
Nas favelas, no Senado, sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é esse?... Que país é esse?... Que país é esse?
(Trecho da música do Legião Urbana; Letra: Renato Russo)    

Sábado, 26 de agosto de 2006, oito horas da manhã. Em sessão extraordinária, os vereadores de Nova Lima criam a Lei Municipal n° 826, para atender a uma única proprietária de terreno do “Condobairro” Jardins de Petrópolis. Hoje, domingo, 26 de agosto de 2012, está fazendo seis anos que a casa, a piscina e a área de lazer da proprietária do lote 30 da quadra 6, deixaram, com a criação da lei, e como num passe de mágica, de pertencerem à área verde PÚBLICA de preservação ambiental com nascente e córrego localizada entre as ruas Ipês Amarelos e Jacarandás, em frente a rua Cassoarinas. Até 2006, essas benfeitorias estiveram construídas dentro da área PÚBLICA. A parte mais plana e melhor da área verde virou área particular, e o entorno, as beiradas, que são as partes mais íngremes e irregulares, viraram área verde pública (clique na imagem para ampliá-la). A proprietária agora tem um quintal PÚBLICO/PRIVADO, já que nem o cercamento, com tela, para que seus animais domésticos não entrem na área que deveria ser de preservação, ela foi obrigada a fazer. Seus familiares, amigos e a sua fauna importada (cães e gatos) podem usufruir da área com exclusividade. Foram quase quinze anos de invasão, e todo o processo de “legalização” ocorreu sem nenhuma transparência, divulgação, debate com a comunidade, audiência pública e compensação ambiental.

A proprietária não teria conseguido essa lei, esse privilégio (e que baita privilégio) se não fosse a atuação e o lobby (*), fortíssimos, junto à Prefeitura e à Câmara, do proprietário de terreno do Jardins que é um dos fundadores do “Condomínio” Jardins de Petrópolis. Por duas vezes, o "Departamento de Meio Ambiente" do condomínio, sob o comando desse proprietário, forneceu “parecer favorável” à proprietária do lote 30. O primeiro parecer foi dado em 1999, quando houve a primeira tentativa de legalizar a invasão junto à prefeitura. O prefeito à época não achou vantajoso para o município a proposta que foi feita, e mandou arquivá-la. Já na gestão municipal seguinte, a atual, o parecer foi renovado e entregue novamente à prefeitura, que o aceitou prontamente. 

Atualmente (2012), o amigo da proprietária do lote 30 é membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do município, e um dos líderes do MOVIMENTO SOS NOVA LIMA. Ele também é o principal opositor ao asfaltamento da Av. Morro do Pires. Tanto ele quanto seus "seguidores" comemoram mais esse aniversário da legalização da invasão. Mas, para os cidadãos que respeitam e valorizam o patrimônio PÚBLICO e ambiental, é  uma data FÚNEBRE. 

Em 2011, o MINISTÉRIO PÚBLICO (1ª Promotoria da Comarca de Nova Lima) elaborou um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, que ficou excelente, e que iria fazer justiça e beneficiar a coletividade, a comunidade e o meio ambiente, já que o TAC determinava que a prefeitura e a invasora teriam que realizar, pelos quase 15 (quinze) anos de invasão, compensações ambientais tanto na área invadida como em outra área verde pública do bairro. Infelizmente, para nossa surpresa, estranheza e perplexidade, o MP voltou atrás e desistiu do TAC, arquivando o processo, e as compensações não foram realizadas, frustrando e decepcionando os cidadãos que valorizam e querem o patrimônio PÚBLICO e ambiental respeitados, protegidos e preservados. Na nossa opinião, com essa decisão do MP, a INVASORA foi, mais uma vez, PRIVILEGIADA E BENEFICIADA.

Ano que vem, no aniversário de sete anos, lembraremos desse acontecimento que prejudicou a comunidade, a coletividade, os nova-limenses, e que privilegiou e beneficiou uma única proprietária de terreno que nem de Nova Lima é. E não desistiremos da luta para que justiça seja feita, ou seja, que a proprietária do lote 30 pague, através de compensação ambiental, pela invasão de quase quinze anos na ÁREA PÚBLICA.

“(...) ela não é invasora. Não há lei nesse país que a obrigue desmanchar o que foi construído. E ninguém conseguirá tirá-la da área ocupada. Não tem lei nesse país que permita quem quer que seja a demolir uma construção irregular” (amigo e defensor da invasora; ex-síndico do condomínio; ex-diretor de relacionamento de agência de publicidade cujo dono foi o pivô do maior e mais divulgado escândalo de corrupção já ocorrido no Brasil, o MENSALÃO).

"Non omnis quod licet honestum est” - Nem tudo que é lícito é honesto (Corpus Iuris Civilis - Corpo de direito civil) – obra jurídica publicada entre os anos 529 e 534 por ordens do imperador bizantino Justiniano I

“Leis são como salsichas. É melhor não ver como elas são feitas...” (Otto von Bismarck )


(*) Fazer lobby é basicamente tentar influir sobre alguém que toma decisões para que uma decisão específica seja a mais favorável possível a uma parte interessada (Fonte: Lobby. O que é. Como se faz. Ética e transparência na representação junto a governos – Editora Peirópolis)

Vídeo, com interpretação ao vivo de Renato Russo, da música "Que país é esse":

http://youtu.be/hzSLhZqxXwE 
Mais sobre essa questão da legalização da invasão em:
http://preservejp.blogspot.com/2007/06/reas-verdes-pblicas-invadidas.html
http://preservejp.blogspot.com/2008/01/blog-post.html
http://preservejp.blogspot.com/2009/09/jardins-euforico.html

Luís Eduardo Lemos - morador do Jardins

domingo, 12 de agosto de 2012

domingo, 5 de agosto de 2012

MORADORES ILUSTRES DO JARDINS NO TERRA DE MINAS


O vídeo dos pássaros pode ser visto, na íntegra, e com o título "Jardins de Pássaros ao Som de Viola" em http://youtu.be/ibxaGLLyfgQ São mais de 22.000 (vinte e dois mil) acessos!

Luís Lemos

sábado, 16 de junho de 2012

TIROS NO PARAÍSO JARDINS DE PETRÓPOLIS

Não é de hoje, que afirmamos que a biodiversidade do Jardins está cercada e não agüenta mais tanta agressão. Não bastassem os cães de proprietários que ficam soltos pelo residencial afugentando e matando animais silvestres, a região também sofre com outras agressões.

Uma delas se refere aos caçadores atrás da riquíssima fauna que ainda tem o residencial como habitat e rota de passagem. Vários tiros dados por eles são escutados principalmente nas madrugadas dos finais de semana. Faz mais de um mês, que tiros estão sendo escutados também nos dias de semana, por vários moradores, e em plena luz do dia. No último dia 25 de maio, conseguimos gravar, em áudio, um desses tiros. Era por volta das 17:45 h, e foram disparados cinco tiros, em intervalos de mais ou menos dez minutos. O som estava vindo da direção de uma das mais importantes áreas verdes de preservação ambiental do condomínio, que possui nascente e córrego, e onde pacas, porcos do mato, veados mateiros e outros animais silvestres transitam e se alimentam. Pelo estampido dos tiros, parece ser de espingarda. Bem próximo ao local há uma obra, para construção de casa. Há a suspeita de que os tiros possam estar sendo disparados por operários dessa obra. Há informações de que eles estão jogando restos de alimentos próximo ao córrego, provavelmente para atrair os animais silvestres. Obras na região, muitas vezes, é sinônimo de “problemas”. Não está descartada também, a possibilidade dos tiros estarem sendo disparados por algum proprietário.

Há quem diga que não são tiros, e sim bombas. Mas pelo estampido seco, vários moradores afirmam que são mesmo tiros de arma de fogo. Outra comprovação de que podem ser tiros, baseia-se nos horários que estão ocorrendo com mais frequência. Estão sendo dados por volta das 05:00 h da manhã e tarde da noite, horários em que os animais silvestres estão saindo ou retornando para suas tocas. A Polícia Militar de Meio Ambiente foi acionada, mas os tiros continuam (OUÇA A GRAVAÇÃO DO TIRO ASSISTINDO AO VÍDEO ABAIXO)

 

http://www.anda.jor.br/14/06/2010/cacadores-invadem-patrimonio-ambiental-em-nova-lima-m

Outra postagem sobre caçadores no Jardins:
 
Luís Lemos 

terça-feira, 5 de junho de 2012

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE NO JARDINS

CACHORRADA DA DIRETORIA CONTINUA SOLTA

Omissão total e descarada da Associação (“Condomínio”) Jardins de Petrópolis, instituição preocupada e empenhada com a arrecadação e defesa dos interesses de quem a sustenta, seus associados, mesmo que para isso, leis tenham de ser desrespeitadas, incluindo a Constituição Federal, no seu artigo 225; certeza da impunidade; falta de atuação dos órgãos ambientais, entre eles o IBAMA, cujo superintendente é proprietário de terreno, ex-membro do conselho gestor e atual conselheiro de meio ambiente do condomínio. Essas são as causas principais do desrespeito e da afronta cometidos por proprietários de terrenos, entre eles, diretores do condomínio, que deixam seus cães soltos pelo residencial, afugentando e matando animais da fauna silvestre, além de incomodarem e ameaçarem moradores, visitantes, caminhantes e ciclistas.
Podemos comparar essa questão dos cães à questão dos treieiros, que durante anos incomodaram e desrespeitaram moradores e o meio ambiente do Jardins. O condomínio, quando resolveu se empenhar para o fim do trânsito das motos de trail, conseguiu, com a ajuda do Ministério Público. A principal bandeira levantada foi a ambiental. Essa questão dos cães é tão, ou mais prejudicial ao meio ambiente, do que a questão dos treieiros, além de prejudicial também à segurança e à saúde das pessoas, já que os cães podem atacar e transmitir doenças como a raiva e a leishmaniose(*). É também muito menos complexa de ser resolvida. Só falta vontade e atitude firme, enérgica e imparcial do condomínio, que deveria solicitar aos proprietários a posse responsável de seus animais. Os que não respeitarem, devem ser denunciados à Polícia Ambiental, aos órgãos ambientais e ao MP (clique nas imagens para ampliá-las).

Mas, o condomínio, na sua voracidade arrecadatória, não cumpre com seu dever de informar aos órgãos sobre o desrespeito às leis, temendo conflito com seus associados, já que pode levar à perda de arrecadação. Então essa instituição se omite, adotando a política do “fingimos que não vemos”. Várias cartas já foram encaminhadas a essa instituição, solicitando providências, mas nada é feito. Já temos mapeadas e identificadas, todas as propriedades cujos proprietários deixam os cães soltos. No Estatuto e no Regimento do condomínio constam artigos sobre a posse responsável dos animais e sobre a proteção dos recursos naturais, mas ficam só no papel.
(*) Duas pessoas já contraíram leishmaniose no Jardins de Petrópolis (Dado da Secretaria Municipal de Vigilância Sanitária – ano de 2005)

 Filmagens feitas no mês de maio, mostrando cães soltos de diretores do condomínio:



“A responsabilidade civil decorre da prática de atos ilícitos, decorrentes de uma ação ou omissão, nos termos do art. 927 do Código Civil. Compete ao síndico, diante da evidência de práticas que possam prejudicar o meio ambiente, tomar as medidas cabíveis, sob pena do condomínio vir a responder perante aos órgãos públicos, em especial junto ao Ministério Público. Caso o síndico não tome as devidas providências poderá haver demandas contra o condomínio, que acabará por afetar o bolso dos demais condôminos que serão penalizados com multas aplicadas pelo Poder Público.” (Kênio Pereira – advogado)

Art. 225 da Constituição Federal Brasileira - Capítulo VI - Do Meio Ambiente - “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.”

Cabe ao Poder Público “proteger a fauna e flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade” (Inciso VII - § 1° do artigo 225 da Constituição Federal)

“Enquanto a Associação (“Condomínio”) Jardins de Petrópolis e os proprietários que cometem crimes contra a natureza não forem processados e responsabilizados judicialmente, enquanto não sofrerem pesadas multas, sentindo no bolso, a riquíssima biodiversidade do Jardins continuará sendo desrespeitada, agredida e destruída. O condomínio é corresponsável, e até mesmo, conivente com os crimes ambientais que ocorrem na região” (Luís Lemos)

Clique nos links e veja outras postagens com fotos e vídeos sobre essa questão dos cães:

Luís Lemos 

* HISTÓRICO DO JARDINS *

O Bairro Jardins de Petrópolis situa-se em Nova Lima-MG (Coord. geogr. 20°01'26"S e 43°52'54"O), a 20 km de BH, com acesso pela rod. MG-030. Está a 8 km de São Sebastião das Águas Claras (Macacos).

Características da região:

Era uma fazenda que na década de 70 foi loteada, transformando-se em áreas de chácaras para lazer e descanso. Pertence à Área de Proteção Ambiental Sul (APA - SUL) da RMBH, sendo classificado como Zona de Uso Predominantemente Residencial de baixa densidade demográfica (ZOR3). Possui área total de 633 hectares (sua área é maior que a sede do município), dividida em 843 chácaras de áreas mínimas de 5.000 m². Ainda pouco povoado, conserva na maior parte de seu território uma rica biodiversidade remanescente de Mata Atlântica. Situa-se às margens de uma serra denominada Morro do Pires, que embeleza a região com seu magnífico porte e que pode ser avistada de qualquer parte em que se esteja do residencial. Possui áreas verdes (áreas públicas) reservadas, que somam 740.000 m² de mata nativa com nascentes e córregos que deságuam no Ribeirão dos Macacos. No JP vivem diversas espécies da fauna e flora brasileira, como os mamíferos (veado campeiro, tatus,macacos e, até mesmo, as onças jaguatirica e suçuarana); aves (saíras, tucanos, pica- paus); répteis e anfíbios. A flora é constituída por uma vegetação que reúne espécies que variam entre o campo de altitude, cerrado e matas de galeria. Na parte mais baixa, por onde correm os vários cursos d'água, concentra-se uma vegetação de grande porte (mata de galeria), composta de várias espécies nobres como jacarandás, ipês, jequitibás, dentre várias outras (existe um jequitibá no JP que são necessárias cinco pessoas para abraçá-lo).

*** LOTEAMENTO FORA DA LEI ***

O loteamento Jardins de Petrópolis NÃO POSSUI LICENCIAMENTO AMBIENTAL. É URGENTE, que o Estudo de Impacto Ambiental - EIA/Licenciamento Corretivo sejam elaborados, visando a preservação de um riquíssimo patrimônio natural que a cada dia vem sendo destruído. Enquanto não forem feitos, o loteamento estará IRREGULAR, FORA DA LEI, em DESACORDO com a legislação ambiental.

JARDINS DE PÁSSAROS AO SOM DE VIOLA (AUMENTEM O SOM!)

Esse vídeo também está postado em: http://ecoeantigos.blogspot.com

Luís Lemos

CRIME CONTRA A NATUREZA: QUEM VOCÊ PENSA QUE É, "CONDOMÍNIO" JARDINS DE PETRÓPOLIS?

PÉSSIMO EXEMPLO! ONDE? NO JP, É CLARO!!

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE: O RETORNO

TRIBUTO AO JARDINS DE PETRÓPOLIS (c/som)

OPINIÃO PRESERVEJP

O Bairro Jardins de Petrópolis, com o crescimento dos últimos anos, vem passando por inúmeros problemas que ameaçam a preservação de seus recursos naturais. As questões ambientais não estão sendo tratadas com o devido respeito e com a importância que a região merece. Por possuir remanescentes de Mata Atlântica, inúmeras nascentes, córregos e várias espécimes da flora e fauna brasileira, é urgente, que medidas para a proteção dessa biodiversidade sejam tomadas. Instituições que deveriam por em prática mecanismos e ações de controle e fiscalização, além da adoção de políticas que priorizem a preservação do ecossistema local, não estão atuando de modo a inibir e acabar com a degradação existente. No bairro prevalece a política do “fingimos que não vemos”, onde quem é “amigo” e “sócio” fica isento do cumprimento de normas, leis e punições. Invasores de áreas verdes PÚBLICAS ficam impunes e sem ter que compensar os prejuízos causados ao meio ambiente; obras são iniciadas sem licenciamento ambiental; ilegalidades são aceitas e, por esses motivos, a rica biodiversidade do JP está ameaçada. Discursos hipócritas e poesias, ao invés de ações enérgicas contra quem degrada o patrimônio natural, não diminuirão, não acabarão com o caos ambiental vigente no, ainda, mas não se sabe até quando, paraíso ecológico Jardins de Petrópolis.

A VIDA CAMINHA NO JARDINS (FUTURA MAPAPALO)


O QUE ESTÃO FAZENDO E DEIXANDO QUE FAÇAM À BIODIVERSIDADE DE NOVA LIMA (c/som)

RECURSOS HÍDRICOS: Clique na foto e leia reportagem sobre o JP

Natureza em família


VÍDEO: MORTE NO JP (c/som)

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS
Faixa esticada no acesso a Macacos e ao JP (clique na foto acima e leia texto sobre essa questão)

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"
Clique no mapa acima e leia texto sobre essa questão

ÁREA VERDE INVADIDA

ÁREA VERDE INVADIDA

INVASÃO POR SATÉLITE

INVASÃO POR SATÉLITE
Faz um ano e meio que houve a "legalização da invasão" da área pública e até hoje não existe cerca separando a propriedade particular da área verde. Os animais da fauna silvestre estão sendo massacrados por cães e gatos

Reportagem sobre "legalização da invasão"

Reportagem sobre "legalização da invasão"

"Parecer favorável" à legalização da invasão

"Parecer favorável" à legalização da invasão
Que autonomia e autoridade uma associação de moradores tem, através do seu “Departamento de Meio Ambiente”, para dar um parecer favorável em uma questão que cabe apenas aos órgãos ambientais? Um parecer dado em 1999, e assinado por quem não é mais proprietário de terreno no JP, nem membro da associação, tem validade em 2005?

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagem sobre Fauna massacrada

Reportagem sobre Fauna massacrada
Jornal Folha de Nova Lima

JP perde Centro de Educação Ambiental

JP perde Centro de Educação Ambiental

Reportagem sobre Agenda 21

Reportagem sobre Agenda 21
Jornal O Correio, seção meio ambiente, 11 de junho de 2005

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão
"Condomínio Jardins de Petrópolis" e Prefeitura de Nova Lima impedem liberdade de expressão do movimento de cidadania PreserveJP". A faixa do movimento, que anunciava o endereço do blog, foi retirada por essas intituições, que não querem que os cidadãos que se preocupam com a preservação ambiental sejam informados sobre o que vem ocorrendo com o patrimônio público e ambiental de Nova Lima

Informativo ambiental do JP

Informativo ambiental do JP
Receba o PRESERVE por e-mail: envie mensagem para preservejp@gmail.com e saiba o que vem ocorrendo com o meio ambiente de uma linda região remanescente de Mata Atlântica

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente

Receba a Cartilha por e-mail, e saiba como agir para a preservação da região que você e sua família escolheram para morar e viver junto à natureza. Envie mensagem para: preservejp@gmail.com

DEPOIMENTO DE UMA CIDADÃ NOVA-LIMENSE

Prezado Luís,

Li todas as informações no PreserveJP... e achei fantástico. Sou nascida e vivente em Nova Lima. Aqui nasci, cresci, casei-me, sou mãe de três filhos, trabalho, sou pedagoga, tenho 62 anos e com alegria e tristeza cheguei ao final do seu blog.

Alegria.... Por termos uma natureza exuberante com uma flora e fauna como se fossem um brinde majestoso dado pelo Criador. Ele confiou quando presenteou-nos com esta dádiva. Serras azuis, verdes e multicores, bichos numa diversidade absurdamente integrada, sons, cheiros, barulhos. E ver e sentir um jovem consciente de uma responsabilidade vital e com olhar lá na frente é envolvente.

Tristeza.... Quando ouso pensar e vislumbrar o Criador, cabisbaixo, estarrecido numa constatação de erro ao confiar no Ser (?) humano um Planeta maravilhoso. Estragar este presente é falta de discernimento, falta de amor, é negar a vida.

Ao ver e ouvir o "Canyon no Córrego dos Macacos", vi águas falantes, tristes, perguntando sobre que direito tem o bicho humano de chegar, tomar posse e destruir como se fosse o Senhor da Razão e da Vida. Fiquei, no mínimo, arrasada. Aquelas águas falam.

Gostei. Não. Apaixonei-me pela causa, pela pessoa, pelos textos, pelas imagens, por todos os bichos das matas, pelas águas, pelas montanhas.
Continue. Dou-lhe o maior incentivo na forma de energia positiva. Afinal, a causa é por Nova Lima, a minha Nova Linda! Um grande abraço,

Mariléa Dieguez Protzner Peixoto - Pedagoga - Nova Lima - MG

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

RESPEITE O JARDINS DE PETRÓPOLIS

Em toda parte do planeta, sábias civilizações, tribos indígenas e grupos humanos de diversas crenças e culturas acreditam que existem entidades e espíritos que povoam, governam e protegem os ambientes da natureza, como o campo, as florestas, as montanhas, os rios, o mar, os animais, enfim, toda a biodiversidade. Vários estudiosos, expedicionários, viajantes, caminhantes e atletas, que por esses ambientes passam, também acreditam profundamente na existência deles. É muito conhecida a idéia de que o alpinista alcança o cume de uma grande montanha não quando ele quer ou pode, mas, sim, quando “A Montanha assim o permite”. Assim, antes de entrar e se aventurar no mar, num rio, numa floresta, você não precisa conhecer e seguir determinado ritual perante as entidades que lá estão. Simplesmente pare, observe a sua volta e escute. Assuma uma atitude acima de tudo, de muito respeito. Seja humilde. E peça licença para entrar, e proteção para sair. Certamente, dependendo do seu comportamento, as entidades lhe ouvirão. O Jardins de Petrópolis também tem suas entidades e espíritos que o governam e o protegem. Vamos respeitá-las. Dependendo do nosso comportamento, das nossas atitudes perante essas entidades e à biodiversidade, teremos esse paraíso ecológico preservado para nossos filhos, para as futuras gerações.
Luís Eduardo Lemos - Adaptação do texto do "Guia para Esportes de Aventura", do médico Clemar Côrrea

MANIFESTAÇÕES DE APOIO E ELOGIOS AO NOSSO TRABALHO

"Olá Luís Eduardo:

Parabéns pela sua luta. Com certeza você tem inspiração divina para reunir tanta força. Luta contra os insensíveis poderosos que por um punhado de dólares vendem a própria mãe. Postei sua matéria num bloguinho mais light que criei recentemente; http://ecoeantigos.blogspot.com/ O Blog anterior é este aqui, onde também repercuti seu valoroso Blog; http://www.desabafolandia2.blogspot.com/ Grande abraço nobre companheiro e que Deus te dê todas as forças necessárias para continuar o embate".

Sérgio

"Prezado Luis Lemos,

Como proprietário (futuro residente) compartilho com vc a luta pela preservação do nosso JP, e nesta data quero desejar um feliz 2008, que tenhas forças e comprometimento dos proprietários do JP para continuar com a árdua peleja pela manutenção da natureza no seu estado o mais natural possível. Um grande abraço,"

Nilson

Salve Luís, Muito bom o blog. Parabéns pela sua luta incansável! Cara é foda concientizar as pessoas, e mostrar o impacto q causam como no caso do ataque dos cachorros ao filhote de cervo q vc cita. Lugar de cachorro é na cidade!E por aí vai...É um belo local! O Brasil é realmente muito gde com muitos recônditos q nem imaginamos...Paz e luz!

Wagner Rodrigues - São Paulo - SP

"Nesse feriado de 15/11/07 tive o privilégio de conhecer o Jardins de Petrópolis no município de Nova Lima/MG e me encantei pela paixão com a qual luta Luís Eduardo Lemos pela preservação da fauna e flora da região local. Se tivéssemos mais pessoas como ele no nosso doente planeta Terra, certamente não estaríamos no caos que vivenciamos hoje. À você Luís Eduardo, e a todos os que abraçam essa nobre causa, o meu recado: INSISTAM, RESISTAM, PERSISTAM E JAMAIS DESISTAM...A Terra e seus habitantes agradecem.Parabéns pelo belo trabalho realizado!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Haylla Cavalcanti - Goiânia/GO

"Caro Luis Lemos,

Com muita satisfação recebi e acessei o blog do JP. Felizmente ainda podemos encontrar pessoas como vc, que é sim o verdadeiro guardião da natureza, que demonstra total equilíbrio e conhecimento com as suas atitudes e mostra todas as adversidades que se possa encontrar quando alguém tenta ser últil na preservação do meio ambiente. Sei que é uma briga de titãs, mas tentando se consegue, basta querer. Continue, sua luta é nobre, pois, quando a mãe natureza cobrar o seu espaço, só haverá um perdedor, "O HOMEM". Atenciosamente,

Mauro Reis de Aguilar - Polícia Ambiental de Nova Lima

"Luiz Eduardo,

muito obrigado pela apresentação de seu blog, o qual considerei excelente. Como amante da natureza, considero muito importante essas iniciativas que chamam a atenção das comunidades para com o devido tratamento a ela.

Cumprimento-o pela brilhante iniciativa, e que luzes Divinas o iluminem para que essa página seja cada vez mais otimizada, e que maiores camadas sociais a leiam e interajam."

Atenciosamente,

Roberto Félix

"Prezado Luís Lemos,

Parabéns pelo belíssimo, oportuno e necessário serviço de divulgação."

Atenciosamente,

Mônica Eustáquio Fonseca

"Caros organizadores,

Parabenizo a toda a equipe pela iniciativa do blog. Se todos tivessem esta disposição muitos dos conflitos locais poderiam ser divulgados e quiçá equacionados."

Bom trabalho a todos,

Isis Rodrigues Carvalho

"Oi Luis, como vai você? Poxa, você está lutando mesmo pelas causas ambientais. Eu sei que nosso trabalho é árduo, mas é persistir mesmo sem deixar nos abater. O Blog está ótimo, parabéns!"

Dirce, cidadã novalimense

"Luis, tudo bem? Acabo de fazer um bonito passeio pela natureza visitando o blog do JP. Ficou muito bom. Sinto esperança ao perceber que existem pessoas como vc que lutam pelo equilíbrio do sistema em que vivemos. O planeta terra ainda respira e suspira pela preservação de suas espécies. De nada adianta o progresso e o conforto que esse apregoa se não houver equilíbrio entre os seres vivos. Tudo que respira quer viver. Estou preocupada com a atividade de mineração no entorno de BH, precisamos ficar atentos com a fiscalização do MP e do IBAMA. Vamos em frente, a luta continua". Abraço,

Cláudia

"Prezado Luís,

Com satisfação acusamos o recbimento do Preserve JP. É alentador saber que existem pessoas que tranformam a sua preocupação e indignação em militância para as boas causas. Conte sempre com o nosso gabinete na Câmara de Vereadores de Nova Lima. Receba o nosso abraço,"

Marcelino Antônio Edwirges - Vereador-PT

"Oi Luis, tudo em paz? Obrigada pelas notícias do preserve jp, é sempre bom ter notícias de uma região tão linda como a nossa. Sempre bom tb ver que tem alguém como vc observando com atençao e energia o que pode ser feito pela preservação do meio ambiente. O mais importante é ter foco no que se acredita e nunca, nunca mesmo, desistir. Parabéns pelo seu trabalho,"

Cláudia Silva

"Luis,

Bom dia! Somos um grupo de moradores do Jardim Serrano que nos interessamos a colaborar e atuar efetivamente para a preservação da região. Esperamos um contato.
Abraços,"

Luciana Duarte


"Prezado Luiz,

Visitei o Blog preservejp e considero uma iniciativa importante para fomentar informações a respeito da preservação. Somente quando as pessoas são bem informadas podem se conscientizar e ter responsabilidades.

Gostaria de sugerir, se for possível, a inserção do link da AMDA no Blog; temos lutado muito pela preservação do Estado e a região da Apa Sul tem sido contemplada por várias ações nesse sentido.
Um abraço,"

Elizabete


“Luis Eduardo,

Parabéns pela perseverança. A equipe do JP está fazendo um trabalho maravilhoso. O mundo precisa de pessoas como vocês, pessoas que acreditam e lutam em favor da VIDA. Eu também venho trabalhando em favor da preservação de uma área que, até a década de 80, formava um corredor ecológico com a Mata do Jambreiro. Precisamos trocar figurinhas. Tenho muito a aprender com vocês. Faça contato. Mais uma vez. PARABÉNS! Contem comigo.”

Eliana/SMAMA BH- Gerência de Educação Ambiental


Frases e citações do Movimento PreserveJP

"SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS, VAMOS DEFENDER A BIODIVERSIDADE DO JARDINS DE PETRÓPOLIS. SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS."

Cidadãos do Movimento PreserveJP (adptação da letra da música "O anjo mais velho" - Trupe do Teatro Mágico)

"NÃO ACEITAMOS E NÃO ADMITIMOS QUALQUER TIPO DE CENSURA À NOSSA ATIVIDADE LÍCITA E CÍVICA, A SABER, A NOSSA LIVRE EXPRESSÃO DE OPINIÃO, O NOSSO EXERCÍCIO DE CIDADANIA"

Luís Lemos, cidadão, e sempre, não por hora, defensor incondicional do patrimônio ambiental do JP


"NUNCA DUVIDE DA CAPACIDADE DE UM PEQUENO GRUPO DE DEDICADOS CIDADÃOS PARA MUDAR OS RUMOS DO PLANETA. NA VERDADE, ELES SÃO A ÚNICA ESPERANÇA DE QUE ISTO POSSA OCORRER" Margareth Nead


"CORAGEM NA ESPERA PÚBLICA PRESSUPÕE MOSTRAR AOS OUTROS, POR MEIO DA PALAVRA E DA AÇÃO, PARA O MELHOR E O PIOR, QUEM SE É E DO QUE SE É CAPAZ" Hannah Arendt - filósofa


Avifauna do JP: Tangará dançador

Avifauna do JP: Tangará dançador

MOSAICO - JP FAUNA

MOSAICO - JP FAUNA
Aves Socó e Gavião, lagarta e sapinho

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?