domingo, 19 de dezembro de 2010

ASSOCIAÇÃO JP E CORRETORES: PARCEIROS NA ARRECADAÇÃO

A Associação / “Condomínio” Jardins de Petrópolis e um de seus associados, que é também um dos principais corretores de imóveis que atuam no bairro, entraram, juntos, com uma ação na Justiça (processo n° 0095002-32.2010.8.13.0188) contra a Prefeitura e contra o Instituto Estadual de Florestas- IEF, para que essas instituições realizem a desobstrução, suprimindo Mata Atlântica, de algumas vias do bairro que só existem no mapa.


Em algumas dessas vias, a vegetação com árvores de pequeno, médio e grande porte já tomou conta, além de possuírem córregos e nascentes nas suas proximidades (áreas de preservação permanente – APP). Há trechos de ruas no bairro, como ruas Bouganvilles, Amoras e Pinheiros, e a totalidade da rua Vinháticos, que não foram abertos nem na época da criação do loteamento, na década de 70 (ver vídeo acima). Eles só existem no mapa e são trechos com declividades muito acentuadas e que ficam à montante do Córrego dos Macacos, afluente do Rio das Velhas. A rua Bouganvilles possui a sua jusante, uma área verde pública de preservação ambiental com nascente. Nessa época de chuvas, se tratores realizarem terraplenagens nessas ruas, poderá haver o carreamento de terra para a nascente e para os córregos, causando um impacto ambiental enorme aos recursos hídricos e à vegetação. Deve-se, para o escoamento correto das águas, utilizar manilhas, bocas-de-lobo, canaletas, etc, o que exige estudos, aumenta muito o custo e o tempo de execução das obras. Foi determinado que a Prefeitura utilize, obrigatoriamente, caso sejam realizadas terraplenagens, canaletas, manilhas, etc, para escoamento das águas pluviais? (Lei nº. 6.766/79, Art. 2, § 6, que disciplina o parcelamento do solo urbano e aponta os itens de infraestrutura básica necessária à área fracionada).

Ressaltamos que em 2009, a Associação JP, alegando fazer a limpeza de trecho da rua Sagaranas (que só existia no mapa), desmatou, ilegalmente, na marra, quase 5.000 m² de mata nativa e terraplenou quase 1 km de extensão desse trecho da via, além de desobedecer embargo feito pelas autoridades policiais, causando um impacto ambiental enorme, com carreamento de grande quantidade de terra para um córrego, numa das últimas áreas de preservação do bairro (ver vídeo no início desse blog). Ressaltamos também, que todos os anos, os corretores realizam a roçada da vegetação em vários lotes, em alguns casos em áreas de preservação permanente e em áreas com declividade acima de 45°, sem licença ambiental. Logo que essas ruas forem desobstruídas, os corretores começarão a roçar e desmatar a vegetação de lotes ainda intocados, para vendê-los.

O loteamento Jardins de Petrópolis não possui licenciamento ambiental. A Associação JP nunca entrou com ação na Justiça solicitando que o licenciamento seja feito para o bairro. Na visão da Associação, desobstrução de ruas, principalmente para venda de lotes, e conseqüentemente, aumento de sua arrecadação, é mais importante do que o licenciamento ambiental da região que possui um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica do município? (quanto mais lotes forem vendidos e construções forem feitas, mais a Associação JP arrecada, através das taxas (impostas) aos proprietários de terrenos).

O Jardins possui áreas verdes públicas com nascentes e córregos. Algumas estão invadidas por proprietários de chácaras. Essas áreas verdes necessitam de demarcação e cercamento, para que proprietários não continuem invadindo-as. A Associação Jardins de Petrópolis nunca entrou na Justiça contra os invasores e muito menos contra a Prefeitura, para que essas áreas sejam demarcadas e cercadas. 

Não somos contra a limpeza das vias do bairro. Mas achamos que as que tiveram com a vegetação regenerada devem passar por avaliação criteriosa, observando-se, além da análise ambiental, devido à predominância de riquíssima biodiversidade ainda intocada, os aspectos ligados à engenharia, já que as condições dos locais onde essas vias se encontram (declividade acentuada, etc) exigem critérios e estudos rigorosos para que haja o menor impacto possível aos recursos hídricos/vegetação, como é o caso de trechos das ruas Bouganvilles, Amoras e Pinheiros, e a totalidade da rua Vinháticos.

Nessa segunda semana de dezembro, tiramos fotos e filmamos as vias que poderão vir a ser desobstruídas, e assim que as interferências tiverem início, filmaremos novamente. Mostraremos o “antes” e o “depois”, para que o Ministério Público analise. Estamos também de posse da Manifestação do MP encaminhada à Juíza, recomendando que o IEF analise e veja a necessidade de expedir Autorização para Exploração Florestal - APEF. A Promotora de Justiça nos informou que qualquer interferência que não estiver de acordo com a Manifestação e as leis, a Polícia de Meio Ambiente deve ser acionada imediatamente. Alguém tem dúvida de que assim faremos?

"Dinheiro, maquinaria, álgebra: os três monstros da atual civilização." ( Simone Weil )

Luís Eduardo Lemos, cidadão, morador do Jardins de Petrópolis e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região – PreserveJP

domingo, 5 de dezembro de 2010

OPORTUNISTAS AGINDO NOVAMENTE?

CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA
O grupo amigo e defensor de invasores de áreas verdes públicas de preservação ambiental, formado por alguns proprietários de chácaras do bairro Jardins de Petrópolis, e liderado pelo proprietário que é também um dos membros conselheiros do Conselho de Defesa do Meio Ambiente do município – CODEMA, volta a se reunir, dessa vez para tirar proveito(?) de situação envolvendo a construção de prédios nas proximidades da rodovia MG 30. O grupo se reuniu na sede da Associação/"Condomínio" Jardins de Petrópolis no último dia 28 de novembro para, segundo palavras do líder: “se armar para enfrentar um adversário poderoso que está usando de todos os recursos para garantir o sucesso dos seus projetos” (parece frase de militantes de partidos de ideologias ultrapassadas de esquerda; parece também frase de guerrilheiros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e de líderes de “sem terra”) (Luís Lemos). 

Como cidadãos e moradores do Jardins/Nova Lima, questionamos:

·     No bairro Jardins de Petrópolis, que possui em quase 100% de sua área, um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica do município (fonte: Atlas da Fundação SOS MATA ATLÂNTICA), o caos ambiental vigora. Áreas verdes PÚBLICAS de preservação ambiental estão invadidas por proprietários de chácaras; cães de proprietários de chácaras que ficam soltos pelo bairro, incluindo vários cães de um diretor do condomínio, estão matando a fauna silvestre e acabando com a tranqüilidade de caminhantes e moradores (até pouco tempo atrás, vários cães,  todos de raça e de grande porte, pertencentes à família de um dos líderes desse grupo, ficavam soltos pelas ruas do bairro - eles mataram um cãozinho de estimação de um morador do bairro); desmatamentos, obras e construções são realizadas sem licenciamento ambiental; lixo e entulho de obras de proprietários de chácaras estão sendo jogados em áreas de preservação ambiental e de mananciais de vários locais do bairro; a Associação JP desrespeita as leis e as autoridades e realiza, na marra, ilegalmente, desmatamento de quase 5.000 (cinco mil) m² de Mata Atlântica, além de desobedecer embargo feito por autoridades policiais; ela também mentiu para a comunidade, tudo isso para atender e satisfazer alguns associados e especuladores imobiliários. O loteamento Jardins de Petrópolis não possui licenciamento ambiental, e esse grupo, fundado por membros da Associação JP, nunca fez absolutamente nada para que a região seja licenciada, objetivando sua proteção e preservação. E agora ele se reune novamente, dizendo que agirá contra a construção de prédios, degradação ambiental e a especulação imobiliária em Nova Lima? A título de informação: o bairro tem como proprietário de chácara, um chefe de órgão ambiental federal, e  o mesmo foi, no ano de 2005, diretor do "Condomínio" Jardins de Petrópolis.

·    Que moral, que autoridade um grupo que não consegue cuidar do meio ambiente do próprio quintal, da própria casa, tem para querer cuidar e proteger do meio ambiente de toda Nova Lima?

·    Qual a participação da Associação JP na mobilização? Como de outras vezes, está havendo ajuda financeira ao grupo?(1) Se sim, os associados foram informados, consultados e aprovaram a ajuda? Há alguns meses, a Associação JP e um condomínio vizinho tiveram despesas estimadas entre R$ 6.000,00 (seis mil) e R$ 7.000,00 (sete mil) com manifestações (fonte: http://preservejp.blogspot.com/p/custo-manifestacao.html). Toda manifestação e mobilização realizada pelo grupo será em parceria com a Associação JP, onde ela será o “caixa” e mera figura ilustrativa, e o grupo e seus membros serão os agraciados e beneficiados com o título e a fama de “protetores do meio ambiente de Nova Lima” ?

O interessante é que o líder/fundador do grupo, sendo também um dos fundadores (e membro vitalício), ex-síndico e atual diretor da Associação/Condomínio JP, além de conselheiro do CODEMA, nunca reuniu, nunca mobilizou, nunca convocou a comunidade, como está fazendo agora nessa questão da construção dos prédios, para denunciar e combater os crimes ambientais que ocorrem no Jardins de Petrópolis. Por que será? Será que é porque quem comete os crimes são os proprietários de chácaras “amigos/sócios” que pagam as taxas que sustentam a Associação e que também são possíveis “votantes” nas próximas eleições municipais, em uma possível candidatura sua para o cargo de vereador?

Esse líder do grupo/membro do CODEMA, nessa questão da construção dos prédios, alega que os empreendedores estão “usando de todos os recursos para garantir o sucesso dos seus projetos, como acordos e trânsito livre pelo executivo” (clique na imagem ao lado). Quem é ele para alegar isso? Em 2005, em questão envolvendo invasão de área verde pública de preservação ambiental do Jardins, ele, como síndico do condomínio, agiu exatamente da mesma forma: ele usou a Associação JP para ajudar a invasora; ele também tinha trânsito livre no executivo (ele é amigo pessoal do prefeito), ajudando a invasora a fazer um “acordo” com a prefeitura para que ela saísse impune e sem ter que realizar nenhuma compensação ambiental; ele não promoveu debate com a comunidade ou audiência pública; não consultou os cidadãos e a comunidade sobre quais medidas compensatórias poderiam ser adotadas para que a invasora, que tinha sua casa, sua piscina e sua área de lazer construídas dentro da área PÚBLICA, pagasse pelos quase quinze anos de invasão e pelo prejuízo causado ao meio ambiente e à coletividade. Ele também fez lobby junto a alguns vereadores, o que fez com que a invasora ganhasse uma lei (Lei 826/2006). Uma única proprietária de chácara do Jardins, que nem de Nova Lima é, teve uma lei municipal criada exclusivamente para atendimento ao seu interesse, graças à ajuda e empenho desse líder do grupo (2).  

Agora, como conselheiro do CODEMA, tendo de atuar em questões como essa da construção dos prédios na MG 30, e também  em questão envolvendo empreendimentos na Lagoa dos Ingleses, ele está tomando do próprio veneno, sentindo na pele o que é ter de lidar com a ganância e o corporativismo de algumas empresas e especuladores do setor imobiliário que adotam posturas antiéticas e antidemocráticas, posturas essas adotadas também pela "Corporação"/Associação Jardins de Petrópolis na época em que ele foi síndico (2005), ajudando e defendendo invasor de área pública.

·   Que moral, que autoridade um grupo que tem como integrantes, amigos e defensores de invasores de áreas verdes PÚBLICAS de preservação ambiental, tem para dizer ou atuar em questões de proteção e preservação do meio ambiente?(3)

Ressaltamos, que apoiamos a mobilização promovida pela Associação da região do Jambreiro que vem questionando possíveis irregularidades no licenciamento dos prédios. Pelo empenho e seriedade com que os integrantes dessa Associação vem atuando, e com o encaminhamento da questão ao Ministério Público, caso comprovadas as irregularidades, estamos certos e torcemos para que o objetivo a que almejam seja alcançado, para o bem do meio ambiente e da qualidade de vida dos moradores da região e de Nova Lima. Mas achamos que buscar e ter apoio de grupo(s) “fichas-sujas” (no que se refere a questões ambientais), pode prejudicar e enfraquecer o movimento perante a opinião pública e os seus oponentes/adversários.

Ressaltamos também, que não compactuamos e não participamos de manifestações e mobilizações promovidas por grupo/“ONG” formado por alguns proprietários de chácaras do bairro Jardins de Petrópolis. Há mais de uma década lidamos com essa turma e podemos dizer que eles não passam de oportunistas que querem tirar proveito das circunstâncias para benefícios pessoais, eleitoreiros e de seus “sócios/amigos”, permitindo que o patrimônio natural da região do Jardins, e consequentemente, de Nova Lima, seja desrespeitado, agredido e degradado.

(1) http://preservejp.blogspot.com/2008/10/associao-corporativa.html
(2) http://preservejp.blogspot.com/2007/06/reas-verdes-pblicas-invadidas.html
(3) http://preservejp.blogspot.com/2010/08/aniversario-no-jardins.html
Protestamos, CODEMA: http://preservejp.blogspot.com/p/protestamos-codema.html
Associação JP mente: http://preservejp.blogspot.com/2010/09/mentira-tem-perna-curta-parabens.html
JP perde CEA: http://preservejp.blogspot.com/2007/07/jp-perde-centro-de-educao-ambiental.html
O Jardins está um lixo: http://preservejp.blogspot.com/2009/10/o-jardins-continua-um-lixo.html
Ataque de cães: http://preservejp.blogspot.com/2010/04/cliquem-nos-links-abaixo-e-vejam-outras.html
Desmatamentos: http://preservejp.blogspot.com/2010/05/especulacao-imobiliaria-desrespeito.html

 Os aduladores são como as plantas parasitas que abraçam o tronco e ramos de uma árvore para melhor a aproveitar e consumir” (Marquês de Maricá)

Luís Eduardo Lemos, cidadão, morador do bairro Jardins de Petrópolis, há trinta e três anos, e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP

terça-feira, 16 de novembro de 2010

FAÇA O QUE EU FALO, MAS NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO

Entrou para a história, e ficará para sempre na memória do JP, a questão do desmatamento ilegal, realizado em 2009, de trecho de rua do bairro que só existia no mapa, onde foram desmatados quase 5.000 m² (cinco mil) de Mata Atlântica e terraplenados em torno de 1 km de extensão. Dentre o total, 360m² estão em área de preservação permanente - APP (margens de córregos e nascentes). O desmatamento foi realizado pela Associação Jardins de Petrópolis e a terraplenagem pela prefeitura, a pedido da Associação (clique aqui e assista ao vídeo). O interessante é que em 2004, a Associação JP divulgou no seu informativo (Jardins Informa, ed. n° 23, out/2004) um episódio idêntico, envolvendo também terraplenagem realizada pela prefeitura em área de preservação permanente do bairro. A Associação EXIGIU “a imediata reparação dos danos causados e a punição dos culpados pelo desastre econômico, ambiental e social” (clique na imagem para ampliá-la).
ACREDITE SE QUISER: em 2004, a prefeitura realiza terraplenagem em APP e a Associação fica revoltada, exige reparação imediata dos danos e ameaça denunciar a prefeitura ao Ministério Público, IEF e ao IBAMA. Alguns anos depois, a mesma Associação comete, ilegalmente, para atender a interesses de corretores de imóveis e de associados, um ato idêntico, só que de amplitude muito maior, muito mais grave, já que, além da terraplenagem e do desmatamento, foi desobedecido embargo feito pelas autoridades policiais. O lema da Associação Jardins de Petrópolis poderia ser: “Faça o que eu falo mas não faça o que eu faço”. Seus discursos (HIPÓCRITAS) são de preservação, mas o que vemos é o desrespeito à biodiversidade e às leis, tudo em nome da arrecadação e da defesa dos interesses de seus “amigos/associados”. Sobre o desmatamento e terraplenagem ilegais feitos em 2009 pela Associação, não podemos deixar de lembrar que essa instituição também publicou no seu informativo (ed. n° 33, dezembro de 2009), que a denúncia feita por cidadãos que lutam pela proteção do meio ambiente da região foi infundada, que o boletim de ocorrência da Polícia Ambiental não condizia com a realidade e que o laudo de um geógrafo desmentia a denúncia e o boletim. Mas a mentira não foi dos denunciantes e da Polícia, e sim, da Associação, que teve de publicar no informativo seguinte (ed. n° 34, agosto de 2010), o Direito de Resposta da Polícia de Meio Ambiente (clique aqui e saiba tudo).

Luís Eduardo Lemos, cidadão, morador do Jardins e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

REGIÃO DO JARDINS, MAIS UMA VEZ, NA REDE GLOBO (aumentem o som)



“Luís Eduardo Lemos,
parabéns pelo empenho em defesa deste riquíssimo patrimônio ambiental do BRASIL.
Um absurdo o que vem ocorrendo aí. Sugiro manifestação pública reunindo todas as ongs verdadeiramente compromissadas com a nossa biodiversidade para denunciar os fatos a toda a sociedade brasileira. E o partido verde? o que pensa a respeito?
Precisamos dar um basta na destruição do nosso patrimônio BRASILEIRO”
Ana Lúcia Batista, por e-mail, em 28/10/2010

"Grande Luís Lemos, elogiado pela Rede Globo de Televisão. Por quê será que as autoridades não colocam um cidadão do porte do Luís Lemos para cuidar do meio ambiente? Faria muito porque simplesmente aplica sua ideologia e o coração à causa. Nem precisaria de remuneração, pois o Luís Lemos é daqueles que pagam para trabalhar, enquanto os que têm dever de ofício... Vejam a enquete na barra lateral do seu site. Abração caro Luís e parabéns pela incansável luta."  Sérgio. http://www.ecoeantigos.blogspot.com/

Veja o vídeo acima, na íntegra, no site do MGTV:

Outros vídeos do PreserveJP divulgados no MGTV:

sábado, 16 de outubro de 2010

INTERESSES INDIVIDUAIS X INTERESSES COLETIVOS

Sai Conselho Gestor, entra Conselho Gestor (e são sempre os mesmos, há só um rodízio), e a questão da revitalização da área verde pública de preservação ambiental da rua Amendoeiras, que possui nascente e córrego, fica só no discurso, só na promessa. Desde 2008, a Associação dos Proprietários de Chácaras publica nos seus informativos que irá recuperar essa área verde. No último artigo, a Associação alega que espera verba (clique na imagem 1 para ampliá-la). O interessante é que em 2005, o total descaso e falta de interesse da Associação impediram que essa área verde fosse revitalizada e ganhasse um Centro de Educação Ambiental - CEA, sem custo nenhum para a comunidade ou para a prefeitura. Um empresário de Nova Lima, incumbido pelos órgãos ambientais a realizar uma compensação ambiental, custearia a revitalização e construção do CEA. Segundo a funcionária do órgão ambiental responsável, o valor a ser desembolsado pelo empresário seria de R$ 30.000 (trinta mil). O síndico do condomínio nessa época era o proprietário de chácara que atualmente (2010) é do Conselho Fiscal do condomínio e membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do município. O prejuízo sócio-ambiental é incalculável (imagem 2). Outro absurdo, que causa indignação, é o fato de o síndico, apenas três meses depois de não se interessar pela revitalização da área verde, ter dado um parecer favorável e se empenhado ao máximo para ajudar uma amiga/associada a legalizar a invasão que ela cometeu em outra área verde pública do bairro, na rua Jacarandás. A casa, a piscina e a área de lazer dessa amiga/associada foram construídas dentro da área pública. Como podemos ver, no Jardins, os interesses coletivos e o meio ambiente são colocados em segundo plano, e os interesses individuais de alguns “amigos/sócios” são prontamente atendidos. E a comunidade saiu perdendo duas vezes, já que a revitalização da área verde, não sendo realizada pelo empresário, poderia ter sido realizada pela invasora da área pública da rua Jacarandás, também como compensação ambiental. Nós sugerimos isso, mas a invasora foi totalmente “blindada”, ficou livre de qualquer punição e ganhou até uma lei (Lei 826/2006). Não podemos deixar de lembrar também, que em 2002, essa mesma área verde da rua Amendoeiras quase se transformou em área para comércio e prédios públicos. E quem foi o principal idealizador dessa proposta absurda, que traria prejuízos sócio-ambientais irreparáveis para toda a região? Ele mesmo, o proprietário de chácara que atualmente é diretor do condomínio e membro do CODEMA. A atuação de alguns cidadãos e o Ministério Público impediram que esse CRIME ocorresse.

Será que a revitalização da área verde poderá ocorrer como compensação ambiental pela abertura ilegal, criminosa da rua Sagaranas, onde o condomínio e a prefeitura foram autuados e multados pela Polícia Ambiental? No mês de agosto desse ano, a Secretária de Meio Ambiente se reuniu com membros do condomínio, onde estavam presentes as duas principais responsáveis por esse crime ambiental (a síndica e a sub-síndica na gestão 2008/09). Cuidado Secretária, em uma outra reunião que essas duas Sras. tiveram com funcionários da prefeitura, eles foram enganados,  prejudicando muito a comunidade (clique aqui e veja como).

Será que estão esperando o ano das eleições municipais para revitalizarem a área verde, objetivando tirar proveito da situação, em prol de algum amigo/associado que poderá vir a se candidatar? Em se tratando de Jardins de Petrópolis, tudo é possível! Em 2004, ano de eleições municipais, houve uma proposta para o tombamento do Morro do Pires (a ed. n° 22, jun/2004, do Jardins Informa trouxe na 1ª página a questão do tombamento), e um dos principais idealizadores cogitava concorrer ao cargo de vereador. Ele não conseguiu sequer entrar na disputa, e passada a eleição, o tombamento caiu no esquecimento.

Clique no primeiro link abaixo para acessar documento comprovando a falta de interesse da Associação na revitalização da área verde. Clique no segundo para conhecer e ver fotos da área verde:


Luís Eduardo Lemos - PreserveJP

sábado, 2 de outubro de 2010

ENFERRUJADOS DO JARDINS (aumentem o som)


Prezado Luis,
Fiquei agradecida, por me enviar este. As imagens e música são maravilhosas. Até me emocionei ao lenbrar que morei 01 ano e 08 meses numa região tão maravilhosa! algum dia voltarei , mesmo que velhinha!
Parabéns pela atitude ambiental! se tivesse aí ajudaria vc...
Abraços...
Maria Helena Medeiros

domingo, 19 de setembro de 2010

MENTIRA TEM PERNA CURTA! PARABÉNS, POLÍCIA MILITAR DE MG

No Jardins de Petrópolis há de tudo: mentiras, hipocrisia, omissão, difamação, arbitrariedade, censura, intimidação, lobby, covardia, ecopicaretagem, desrespeito às leis, desrespeito às autoridades policiais, desrespeito aos órgãos ambientais, desrespeito à comunidade, à coletividade, desrespeito ao direito de informação, desrespeito ao meio ambiente, desrespeito ao patrimônio público, desrespeito aos cidadãos que respeitam as leis e exercem a sua cidadania defendendo o patrimônio público e ambiental. Com tanto desrespeito e mentiras, ainda existe credibilidade e confiança no Jardins?
 
A Associação dos Proprietários de Chácaras, VULGO, “Condomínio” Jardins de Petrópolis, que tem como integrante, um membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do município, é, mais uma vez, desmentida, desmascarada, além de ter de amargar merecida LIÇÃO DE MORAL. Referimo-nos a mais recente edição do informativo do condomínio, o Jardins Informa, n° 34, agosto de 2010, onde teve de ser publicado o Direito de Resposta da Polícia Militar de Minas Gerais, instituição com mais de duzentos anos atuando para a defesa e a paz social. Na edição anterior (n° 33, dez/2009) (clique nas imagens para ampliá-las), o condomínio tentou desqualificar e desmentir uma denúncia e a atuação da Polícia de Meio Ambiente em questão envolvendo o desmatamento de quase 5.000 m² (cinco mil) de Mata Atlântica, onde o condomínio foi autuado e multado por duas vezes, uma delas por ter desobedecido a embargo feito pelas autoridades policiais. Cumprimentamos, parabenizamos e agradecemos a Assessoria de Comunicação Organizacional / Companhia de Polícia Militar de Meio Ambiente pelo excelente, elucidativo e completo texto do Direito de Resposta. Parabenizamos também, mais uma vez, a atuação do 3° Pelotão, a quem chamamos de “Tropa de Elite”, na proteção da biodiversidade dos municípios de sua responsabilidade. Como cidadãos que lutam e querem o patrimônio natural preservado e protegido, sentimo-nos orgulhosos de poder contar sempre com a atuação dos policiais do 3° Pelotão, e agora, também, com a atuação da Assessoria de Comunicação, defendendo com muita competência a imagem, a reputação e a credibilidade da Corporação contra a arrogância, a arbitrariedade, a irresponsabilidade e a mentira.
Ressaltamos que continuaremos a vigiar, a fiscalizar, a denunciar, no exercício de nossa cidadania e no nosso direito e dever, todos os atos que consideramos prejudiciais ao meio ambiente e à coletividade, doa a quem doer. Desde o início de nossa empreitada para a proteção e preservação do patrimônio público e ambiental da região do Jardins, sempre nos pautamos na verdade, honestidade, transparência e imparcialidade, requisitos indispensáveis para se conquistar credibilidade, confiança e respeito.

Fazemos um alerta aos cidadãos, à comunidade: cuidado, fiquem atentos a determinados dizeres, informações ou publicações, especialmente os relacionados às questões ambientais, da Associação Jardins de Petrópolis. COMO VEMOS, podeM não ser verdade!

Finalizando, a pergunta que não quer calar: QUEM VOCÊ AINDA PENSA QUE É, ASSOCIAÇÃO JARDINS DE PETRÓPOLIS?! PONHA-SE NO SEU LUGAR, PSEUDOCONDOMÍNIO!
  
Para ampliar e ler os textos das imagens acima, siga os passos abaixo:

1. Clique na imagem, ela abrirá em outra seção;
2. Clique novamente, mas com o botão direito do mouse; clique em “exibir imagem”;
3. Clique na imagem novamente com o botão esquerdo do mouse para ampliá-la. 
Acesse os links abaixo e saiba tudo, desde o começo, sobre essa questão:

Vídeo do desmatamento: http://www.youtube.com/watch?v=muYjRzMJtq8


P.S. A edição anterior, n° 33, a tiragem foi de 2.000 (dois mil) informativos. Eles foram distribuídos por toda Nova Lima. Já a edição com o Direito de Resposta, a tiragem foi de 1.000 (mil) exemplares.

"Se meus inimigos pararem de dizer mentiras a meu respeito, eu paro de dizer verdades a respeito deles." (Adlai Stevenson)

Luís Eduardo Lemos, cidadão, morador do Jardins há 33 anos e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região do Jardins – PreserveJP

terça-feira, 31 de agosto de 2010

ANIVERSÁRIO NO JARDINS

O grupo amigo e defensor de invasores de áreas verdes PÚBLICAS de preservação ambiental, encabeçado pelo proprietário de chácara que atualmente é membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do município, comemora mais um aniversário no Jardins. No último dia 26 de agosto fez quatro anos que ocorreu uma das maiores aberrações que entraram para a história de Nova Lima. Referimo-nos à questão da "legalização da invasão" da área verde PÚBLICA de preservação ambiental e de manancial da rua Jacarandás (rua 06) , entre os lotes 02 e 30 da quadra 06 (clique nas imagens para ampliá-las). Até o dia 26 de agosto de 2006, uma casa, uma piscina e uma área de lazer estiveram construídas dentro da área pública e, como num passe de mágica, deixaram de pertencer à área de preservação. Foram quinze anos de invasão, e todo o processo de legalização ocorreu sem nenhuma transparência, debate com a comunidade, audiência pública e compensação ambiental. Uma lei (Lei 826/2006) foi criada em Nova Lima exclusivamente para atender e beneficiar a invasora. A votação da lei ocorreu em sessão extraordinária em um sábado, oito horas da manhã (a Câmara Legislativa funciona aos sábados?). Essa data é comemorativa e festiva para quem invadiu (proprietária do lote 30) e para quem ajudou e participou da legalização da invasão (o “Condomínio” JP, cujo síndico na época era o amigo da invasora e do prefeito, a Prefeitura de Nova Lima e a Câmara dos Vereadores). Mas é uma data fúnebre para os cidadãos que respeitam as leis, o meio ambiente e o patrimônio público e ambiental. A parte mais plana e melhor da área verde se transformou no “novo” terreno da invasora, e as “beiradas”, que são as partes mais íngremes e irregulares, se transformaram em área pública de preservação ambiental. A biodiversidade e a coletividade foram, como sempre acontece no Jardins, os mais prejudicados, graças a postura antidemocrática, desleal, arbitrária e corporativista do “Condomínio” Jardins de Petrópolis e dos amigos da invasora. Até hoje a proprietária do lote 30 não telou sua “nova” propriedade, e seus animais domésticos (cães e gatos) tem acesso livre à área que deveria ser para proteger a flora e a fauna silvestres. Ano que vem, aniversário de cinco anos, lembraremos novamente dessa data e acontecimento FÚNEBRES.

“(...) ela não é invasora. Não há lei nesse país que a obrigue desmanchar o que foi construído. E ninguém conseguirá tirá-la da área ocupada. Não tem lei nesse país que permita quem quer que seja a demolir uma construção irregular” (amigo e defensor da invasora; ex-síndico do “Condomínio” JP; atualmente (2010) é diretor do condomínio).

"Non omnis quod licet honestum est” - Nem tudo que é lícito é honesto - Corpus Iuris Civilis (Corpo de direito civil) - obra jurídica publicada entre os anos 529 e 534 por ordens do imperador bizantino Justiniano I.

Clique nos links para acessar outras postagens sobre a invasão da área pública:
http://preservejp.blogspot.com/2007/06/reas-verdes-pblicas-invadidas.html  
http://preservejp.blogspot.com/2008/01/blog-post.html
http://preservejp.blogspot.com/2009/09/jardins-euforico.html
http://preservejp.blogspot.com/2009/05/areas-verdes-aqui-nao-e-o-que-responde.html

Luís Lemos - PreserveJP

sábado, 21 de agosto de 2010

QUEIMADAS! MORRO DO PIRES AGONIZA (aumentem o som)

Todos os anos a história se repete... Tempo seco, fumantes “distraídos” ou pecuaristas presos ao passado, somados a vários proprietários de chácaras do Jardins de Petrópolis que roçam a mata e usam fogo para queimar folhas e gravetos de suas propriedades e quintais, práticas ILEGAIS que podem resultar em grandes queimadas. Uma das vítimas do fogo, mais uma vez, é o Morro do Pires, guardião do Jardins e caixa d’água de toda região ao seu entorno (vídeos abaixo). O Morro do Pires é uma área particular com um milhão seiscentos e setenta mil metros quadrados (dois de seus proprietários são uma mineradora de Nova Lima e o empreendedor do loteamento Jardins de Petrópolis), protegida pelo Código Florestal (Lei Federal 4.771/65, art.2°), sendo de preservação permanente por possuir várias nascentes. É classificado pelo Plano Diretor do município como Área de Proteção Especial (Art.35, §1°, item III).  

Essa magnífica serra é área de recarga e descarga de aqüíferos, um “dreno” gigante e natural que absorve e distribui toda a água das chuvas no seu entorno. Todos os córregos que percorrem o JP nascem nessa serra. A “proteção especial” do Morro do Pires fica só no papel. Ele é circundado por “condomínios” de alto padrão, entre eles o Jardins de Petrópolis, que poderiam e deveriam ter Brigadas de Combate a Incêndio e um trabalho de conscientização dos seus moradores para que não façam o uso do fogo na limpeza de suas propriedades. Folhas e gravetos podem ser utilizados para a compostagem, juntamente com resíduos orgânicos (restos de alimentos, etc), ao invés de serem queimados. Assista ao vídeo (o segundo abaixo) “Águas no Morro do Pires”, e vejam situação oposta à mostrada no primeiro vídeo. (Luís Lemos)


















sábado, 14 de agosto de 2010

CONDOMÍNIO ATRASADO

A Associação dos Proprietários de Chácaras do Jardins (“Condomínio” JP) está atrasada na questão da solicitação de melhorias de infraestrutura à prefeitura (clique na imagem 1 para ampliá-la). Desde 2006, já existe, a pedido de alguns moradores não associados ao condomínio, uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público na Justiça, solicitando, não só à prefeitura, mas também ao empreendedor do loteamento, a implantação de um sistema de drenagem das águas pluviais e reparação de danos ambientais causados por erosões e assoreamentos, além do licenciamento corretivo para o bairro (solicitação do Movimento PreserveJP). O processo foi julgado e o juiz decretou a prescrição (extinção) da ação. O MP recorreu e obteve sucesso (clique na imagem 2). Esperamos que a Justiça determine que o JP tenha saneamento básico, sistema de drenagem de suas águas pluviais e seus recursos naturais protegidos, graças à atuação desses cidadãos que lutam, que agem com imparcialidade, sem rabo preso, doa a quem doer, pela sustentabilidade da região.

Luís Lemos, Movimento PreserveJP

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

ELITE INSATISFEITA EM NOVA LIMA

Buracos no asfalto de via que liga a MG 30 a dois “condomínios” de Nova Lima fizeram com que as administrações desses residenciais entrassem com uma ação na Justiça, por improbidade administrativa, contra a prefeitura. Um desses condomínios é o Jardins de Petrópolis, região formada por chácaras, onde a grande maioria dos proprietários é de classe média alta de BH, que usufruem da região nos finais de semana. No Jardins, há propriedades avaliadas em milhões de reais. Além da operação tapa-buracos, os condomínios pleiteiam também a iluminação da via. O Jardins tem como proprietários de chácaras alguns amigos/correligionários do prefeito. Esses amigos sempre o apoiaram e o defenderam. Um deles é fundador do condomínio e, atualmente, é também membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA do município. Todas as reivindicações que o “Condomínio” JP fez à atual gestão municipal foram atendidas. Podemos citar quatro principais (links): questão envolvendo invasão de área pública de preservação ambiental; questão do Plano Diretor do município; questão de abertura ilegal de rua no bairro e questão das cancelas em vias públicas mantidas pelo condomínio.
  • Em 2005, o condomínio se empenhou ao máximo para ajudar uma “amiga/associada” a legalizar a invasão que ela cometeu em uma área verde pública de preservação ambiental e de manancial: sua casa, sua piscina e sua área de lazer foram construídas dentro da área pública. A prefeitura, a pedido da invasora e com a ajuda do condomínio, elaborou um projeto para legalizar a invasão, encaminhando-o à Câmara, onde foi aprovado. A Lei 826/2006 foi criada no município exclusivamente para beneficiar a invasora, prejudicando o meio ambiente e a coletividade. O síndico do condomínio na época era o amigo do prefeito. Atualmente, esse amigo, como já dissemos, é também membro do CODEMA;
  • Há três anos, quando o Plano Diretor de Nova Lima foi sancionado pelo prefeito, houve mobilização de proprietários do Jardins (o líder foi o amigo do prefeito) para que o mesmo fosse revisado, já que ele tinha modificado o zoneamento do bairro, de predominantemente residencial – ZOR, para ZETUR- residencial com comércio e atividades de turismo e hotelaria. A reivindicação dos proprietários para o retorno ao zoneamento residencial foi prontamente atendida pelo prefeito;
  • Em 2009, o “Condomínio” JP realizou, na marra, ilegalmente, sem licenças ambientais, e desobedecendo embargo feito por autoridades policiais, abertura de rua no bairro. Um trator da prefeitura, a pedido do condomínio, realizou a terraplenagem. O assessor da prefeitura informou que membros do Conselho Gestor do condomínio omitiram, não informaram sobre o embargo. A Polícia Ambiental autuou e multou o condomínio por desmatamento de Mata Atlântica e a prefeitura pela desobediência ao embargo. Palavras do assessor: “Nós fomos enganados pelo Condomínio JP”. A síndica que cometeu essa improbidade e que enganou a prefeitura é, atualmente, membro do Conselho Fiscal do condomínio, e uma das autoras da ação aberta pelo condomínio contra a prefeitura;
  • O “Condomínio” JP mantém cancelas para controle de acesso à região em via pública que liga Nova Lima a Macacos. Essa questão é polêmica, já que está em jogo o direito de ir e vir das pessoas, dos cidadãos nova-limenses. Mas a prefeitura faz vista grossa, permitindo a existência das cancelas.
Por que agora o “Condomínio” JP está insatisfeito, revoltado com a prefeitura, mesmo depois dela ter atendido todas as suas reivindicações e pedidos? E se a prefeitura também se revoltar e voltar atrás, desfazendo, retirando todos esses “benefícios” cedidos ao Condomínio JP?

Esse texto foi publicado também, com o título, "Privataria em Nova Lima" em:   http://massote.pro.br/2010/08/elite-insatisfeita-em-nova-lima/

E também em: http://ecoeantigos.blogspot.com/


Luís Lemos, cidadão e morador, há 33 anos, do Jardins de Petrópolis

domingo, 18 de julho de 2010

JARDINS DE PETRÓPOLIS: QUEIJO SUÍÇO

Se você sonha ter seu poço artesiano, assim como você sempre sonhou ter sua casa própria, venha para o Jardins de Petrópolis. Nele você encontrará facilidade e rapidez para perfurá-lo. O Jardins está virando um “queijo suíço”, sendo furado por tudo quanto é lado (clique na imagem ao lado para ampliá-la). Há tempos, vimos informando sobre o grande número de poços que vem sendo perfurados em todo bairro. Só nos meses de abril, maio e junho desse ano, foram quatro. Agora é a vez da Associação dos Proprietários de Chácaras perfurar o seu. Nas propriedades que ficam próximas à portaria 1, onde fica também a Sede da Associação, já existem vários poços, um do lado do outro e com grandes vazões de água. O da Associação será mais um, dentre os vários existentes. Mas essa questão já está dando o que falar: quem bancará o custo da perfuração, que irá abastecer também, algumas propriedades? Somente a Associação? Alguns proprietários estão dizendo que a questão não foi divulgada como pauta da última Assembléia, e mesmo assim, foi votada e aprovada. Até bem pouco tempo, a quase totalidade dos poços existentes não possuía licença. Placas de propaganda de firmas que realizam a perfuração estavam espalhadas pelo bairro, comprovando que é muito fácil e liberado perfurar um poço. Somente após a nossa atuação junto aos órgãos competentes é que algumas medidas foram tomadas. A Polícia Ambiental e fiscais do Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM, órgão estadual que gerencia os recursos hídricos, estiveram no bairro há alguns anos fazendo o cadastramento dos poços. A insatisfação e a revolta de alguns proprietários foi grande. Condomínios vizinhos ao JP, que possuem regras e gerenciamento competente e transparente no trato das questões ambientais, diferentemente do que acontece no Jardins, possuem um ou dois poços, que abastecem várias propriedades. Mas, no JP, prevalece a “farra dos poços”. Já perdemos a conta do número de poços existentes. Alguns estão a menos de 50 metros um do outro, outros, próximos a nascentes. Tememos que os mananciais da região, formados por vários córregos e nascentes, sejam prejudicados. Caso isso aconteça, quem poderá ser responsabilizado?

Clique nos links abaixo e leiam reportagens sobre a questão de poços no Jardins:
http://preservejp.blogspot.com/2008/07/recursos-hdricos-ameaados.html
http://www.jornaldobelvedere.com.br/images/pag14ago08.pdf
http://www.jornaldobelvedere.com.br/images/pag15ago08.pdf

Esse artigo está também em: www.ecoeantigos.blogspot.com 

Luís Lemos, morador do Jardins e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP

segunda-feira, 21 de junho de 2010

SIM, O JARDINS É PURA MATA ATLÂNTICA!

Há três anos, quando o Plano Diretor de Nova Lima foi sancionado pelo prefeito, houve uma mobilização dos proprietários de chácaras do Jardins para que o mesmo fosse revisado, já que ele tinha modificado o zoneamento do bairro, de predominantemente residencial – ZOR, para ZETUR- residencial com comércio e atividades de turismo e hotelaria. Essa mudança traria prejuízos sócio-ambientais irreversíveis para a região. A bandeira levantada pela Associação dos Proprietários de Chácaras foi a da proteção da Mata Atlântica. Um extenso manifesto, chamado pela Associação de “SOS Jardins de Petrópolis” foi distribuído a vários segmentos, como imprensa, Ministério Público e ONG’s ambientais. Nele a Associação alegava que a mudança do zoneamento ameaçava a preservação e proteção da Mata Atlântica. A Associação também classificou a região do Jardins como “a maior reserva florestal da Região Metropolitana de BH” e a “segunda maior de Minas Gerais”. A pressão deu certo, e o Plano Diretor foi revisado, e uma Lei municipal (Lei 2037/08) foi criada, retornando o Jardins ao zoneamento predominantemente residencial. Anos de 2009 e 2010: a supressão vegetal em Nova Lima está suspensa pelos órgãos ambientais. Motivo: vários loteamentos/“condomínios”, incluindo-se o Jardins, não possuem licenciamento ambiental, indo contra o que determinam leis municipais, estaduais e federais, em especial a Lei da Mata Atlântica (Lei Federal 11.428/06), onde todo loteamento com área acima de 100 hectares (o JP possui 633) tem de elaborar o Estudo de Impacto Ambiental – EIA, através do licenciamento corretivo. No Jardins, vários proprietários de terrenos não estão conseguindo as licenças para desmatar e construir, e estão pressionando a Associação para que interceda junto aos órgãos ambientais. Com isso, contraditoriamente ao que foi defendido na questão do Plano Diretor, membros da Associação, que defenderam a proteção da Mata Atlântica, agora estão “virando a casaca”, mudando de opinião. A síndica no biênio 2008/2009 é um desses membros: ela declarou em um site de um Grupo de Discussões na Internet, que o Jardins só possui “fragmentos” de Mata Atlântica (clique aqui e leia a declaração). Ela também declarou que não é necessário ter licença ambiental para se cortar árvores da flora nativa brasileira que não tenham ainda 1,50 m de altura (clique aqui para ler), o que é um absurdo, uma irresponsabilidade e falta de conhecimento da legislação ambiental. Lembramos que foi na gestão dessa ex-síndica que ocorreu um dos mais graves danos à biodiversidade da região do Jardins, onde foram desmatados, ILEGALMENTE, quase 5.000 m² de vegetação Atlântica (clique para assistir). Segundo a Fundação SOS Mata Atlântica, que elaborou, juntamente com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, o Atlas da Mata Atlântica, recentemente atualizado e divulgado, o Jardins de Petrópolis é SIM, uma das últimas áreas de Nova Lima que possui, em praticamente 100% de sua área, cobertura original desse bioma (clique na imagem acima para ampliá-la). Como já dissemos, não nos impressionamos mais com a HIPOCRISIA de membros da Associação dos Proprietários quando o assunto é a defesa dos seus interesses e de seus associados. Essa instituição, que a cada mês vem arrecadando mais através das taxas condominiais cobradas dos proprietários, não mede esforços para aumentar a sua arrecadação e para satisfazer seus apadrinhados, mesmo que para isso, as leis e a natureza tenham de ser desrespeitadas e menosprezadas.

Luís Lemos, morador do Jardins de Petrópolis

Olá Mário Mantovani, tudo bem?
Estive com vc no Debate Público no SISEMA, em Belo Horizonte, no dia 17/06/2010; te entreguei as fotos dos desmatamentos no "Condomínio" Jardins de Petrópolis, município de Nova Lima, e também a foto da onça morta, lembra-se? Entrei no site da SOS Mata Atlântica e localizei o Jardins de Petrópolis no Atlas que vocês elaboraram juntamente com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (arquivo anexo). Veja como a região do Jardins está toda classificada como "Mata". E muitos moradores agora, com dificuldade de obterem licenças ambientais, estão dizendo que o a região não é de Mata Atlântica. O Atlas de vocês é uma das provas de que a região é sim desse bioma. Eu não tinha dúvida, mas sempre é bom ter provas para mostrar e argumentar com mais segurança. Parabéns a vocês da SOS Mata Atlântica pela elaboração e atualização do Atlas. Estarei sempre consultando-o e divulgando-o. Foi um prazer conhecê-lo pessoalmente, e manterei contato, divulgando à SOS o que vem ocorrendo com a Mata Atlântica aqui de Nova Lima.
Grande abraço,
Luís Eduardo Lemos - Jardins de Petrópolis - Nova Lima - MG

"Grande Luis,
Valeu sua atenção e determinação... vamos continuar resistindo e procure uma ONG local ou vamos criar outra para defender Nova Lima. Estou sempre a disposição e copio à Marcia Hirota para compartilhar essa excelente noticia do uso do nosso Atlas na mobilização da cidadania e ação local". Grande Abraço,
Mario Mantovani – Diretor da Fundação SOS Mata Atlântica

sábado, 12 de junho de 2010

CAÇADORES INVADEM O JARDINS

Caçadores estão fazendo a festa na região do Jardins de Petrópolis, residencial com riquíssima biodiversidade que vem sendo destruída também pela omissão, pela falta de consciência de proprietários, e pela impunidade. Há décadas, a caça existe na região, principalmente próximo ao Córrego dos Macacos. Como morador do Jardins há mais de trinta anos, já presenciei caçadores montados em cavalos e com espingardas nas costas transitando livremente pelas ruas de terra do bairro. Armadilhas para pegar animais de menor porte, como aves e tatus, eram, e ainda podem ser, encontradas no meio da mata. Até alguns anos atrás, o bairro não tinha as portarias 24 hs e era pouco povoado, o que facilitava a atuação dos caçadores, que usavam suas ruas e trilhas para chegarem ao Córrego dos Macacos. Os tiros eram ouvidos nas madrugadas dos finais de semana. Atualmente, mesmo com as portarias, estão sendo ouvidos por moradores (proprietários e caseiros) em locais dentro do residencial, principalmente onde a mata é mais preservada, sem construções por perto e que possuem mananciais. Esses locais são passagem de diversas espécies de animais silvestres, como veados, porcos do mato, pacas, e até mesmo as onças jaguatirica e sussuarana (já vistas no JP). Estamos em contato com a Polícia de Meio Ambiente para tentar cessar, ou pelo menos inibir essa prática aqui na região. Há alguns meses, uma onça foi encontrada morta próximo ao Jardins, e uma das possibilidades (na minha opinião, a mais provável), é de que ela foi morta por tiros disparados por caçadores ou proprietários de chácaras de Macacos ou de condomínios do entorno. A biodiversidade do Jardins e de outros condomínios circunvizinhos está “cercada”, e já não aguenta mais tanta agressão. De um lado, alguns proprietários sem a mínima consciência ambiental: dentre eles há os que mantém cães soltos; há os que invadem áreas verdes públicas de preservação ambiental; há os que desmatam Mata Atlântica e fazem terraplenagem sem licença; há os que poluem nascentes e córregos com seus esgotos sanitários. Junto com eles, representando-os, estão associações omissas e que também desrespeitam as leis e a natureza, tudo em nome da arrecadação (há condomínios arrecadando quase meio milhão de reais por ano), além de adotarem a política do “fingimos que não vemos”. Não podemos esquecer também dos especuladores imobiliários que, infiltrados nessas associações (alguns são proprietários de terrenos e membros que pagam as taxas condominiais que as sustentam), fazem lobby pesado para venderem lotes “sem maiores problemas”. Já do outro lado, cercando a biodiversidade pelas costas, estão os caçadores, que matam espécies da fauna silvestre. Até quando a biodiversidade resistirá?
Clique no link abaixo e assista vídeo/reportagem sobre caçadores presos em Nova Lima:
http://wwo.uai.com.br/UAI/html/sessao_2/2009/03/07/em_noticia_interna,id_sessao=2&id_noticia=101692/em_noticia_interna.shtml

Luís Lemos, morador do Jardins de Petrópolis

domingo, 30 de maio de 2010

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA, DESRESPEITO, DESOBEDIÊNCIA

Não é de hoje, que corretores de imóveis e alguns proprietários de terrenos vem realizando a roçada da mata nativa, inclusive em áreas de preservação permanente (margens de córregos e nascentes) e em áreas com declividade acima de 45° (quarenta e cinco graus), sem licença ambiental. Árvores de pequeno porte e em crescimento, como ipês (proibida de corte), jacarandás, jatobás, cedros, muito comuns na região, são cortadas. A roçada também provoca o enfraquecimento da mata, facilitando a queda de árvores de grande porte em época de chuvas com ventos fortes. O risco de incêndios também aumenta. O Jardins de Petrópolis possui áreas mínimas de 5.000 (cinco mil) m², e essas grandes áreas, com vegetação remanescente de Mata Atlântica, chegam a ser totalmente roçadas, para que possíveis compradores "tenham uma visão melhor do terreno".
Numa das reuniões que estivemos presentes no Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA, no dia 19 de novembro de 2009, um dos conselheiros, que é proprietário de chácara do Jardins, ex-síndico do “Condomínio” Jardins de Petrópolis, e atual membro dessa instituição, questionou a funcionária do Instituto Estadual de Florestas - IEF sobre a suspensão da supressão vegetal que está em vigor em Nova Lima. A funcionária do IEF confirmou que a supressão, e a roçada é um dos seus tipos, está suspensa. A Associação/“Condomínio” JP, pelo que temos conhecimento, não informou em nenhum momento aos seus associados, aos proprietários de terrenos e aos corretores de imóveis sobre a suspensão. Com isso, as roçadas, os desmates continuam (assista o vídeo, com som). O desmatamento ILEGAL para abertura de rua, realizado pelo condomínio, que desobedeceu embargo feito por autoridades policiais, onde foram desmatados quase 5.000 m² de mata nativa, ocorreu já no período da suspensão. Continuando esse desrespeito à biodiversidade e às leis, essa desobediência às determinações dos órgãos ambientais, desobediência praticada inclusive pelo “Condomínio” JP, que tanto gosta de fazer discursos sobre preservação ambiental e publicar textos exaltando a natureza (pura HIPOCRISIA), em pouco tempo essa riqueza ecológica presente no Jardins ficará só na lembrança.

Luís Lemos, morador do Jardins e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP

"A realidade ambiental em Nova Lima é trágica. Somente com a educação e elegendo pessoas que se dedicaram por toda uma existência à questão ambiental é que poderemos modificar esta realidade. Parabéns pelo seu incansável trabalho." Abraços sustentáveis, Marcelo Barbosa (cidadão nova-limense) - Nova Lima de Mãos Limpas

Esse artigo também está em www.ecoeantigos.blogspot.com

sábado, 8 de maio de 2010

PÉSSIMO EXEMPLO! ONDE? NO JP, É CLARO! ONDE MAIS PODERIA SER?

Um proprietário de chácara, membro do Conselho Gestor (diretoria) da Associação/ “Condomínio” Jardins de Petrópolis, mantém vários cães soltos em área de preservação ambiental. Não é de hoje que estamos denunciando e mostrando o grande número de cães de proprietários de chácaras que ficam soltos pelo bairro. Divulgamos vídeo sobre ataque de cães a pessoas e à fauna silvestre que estão ocorrendo (veja vídeo nesse blog com o título: “Ataque (mais um) com morte no Jardins”). No último dia 15 de abril, ao chegarmos à entrada principal do residencial, presenciamos vários cães, todos soltos. Eram do conselheiro do condomínio, que estava fazendo caminhada. Paramos para tirar fotos dos cães, e o seu dono fez questão de aparecer. Já é a terceira vez que nos deparamos com esse conselheiro do condomínio acompanhado de seus cães em vias públicas, todos soltos, nenhum com coleira e guias. Eles também ficam soltos na rua próximo à sua propriedade, já que ela não possui cercas e não é telada. A propriedade desse conselheiro fica numa das últimas regiões ainda intocadas do Jardins, onde a mata nativa ainda é bem preservada, com exceção do local onde está a sua propriedade (vídeo abaixo). O Jardins é moradia e passagem de inúmeras espécies de animais da fauna silvestre brasileira, alguns ameaçados de extinção, como o veado mateiro. Várias são as ocorrências de animais silvestres sendo mortos por cães soltos. A população de quatis, que era vista freqüentemente atravessando ruas e subindo em árvores, está desaparecendo. Todo dono de cães, independente se seus animais forem pequenos, médios, grandes, de raça ou não, deve ter a posse responsável, mantendo-os dentro de suas propriedades, para que não incomodem e ataquem pessoas e animais silvestres. Ao sair com eles na rua, devem estar de coleiras e presos às guias.

Já não nos surpreendemos mais com as irresponsabilidades, com as situações absurdas que ocorrem no JP, no que se refere às questões ambientais, e que envolvem a Associação/ “Condomínio” Jardins de Petrópolis e alguns de seus membros/associados. Essa instituição, que há alguns meses, desmatou quase 5.000 m² de Mata Atlântica sem licenças ambientais, agora tem como membro do seu Conselho Gestor um proprietário de chácara que deveria dar o bom exemplo, praticando a posse responsável de seus cães, mas, ao contrário, dá um PÉSSIMO EXEMPLO. O que constatamos, é que a Associação, TOTALMENTE OMISSA, cai no descrédito e, em nome da arrecadação, fica refém de seus associados, já que são eles que pagam as taxas que a sustentam. E a biodiversidade e os cidadãos que respeitam as leis e a coletividade é que ficam no prejuízo.

  • "É com muita indignação que vejo a destruição da mata Atlântica (o pouco que resta) de Nova Lima. Ainda mais nosso representante no CODEMA agindo dessa forma, que esperança podemos ter?" (cidadão nova-limense, por e-mail em 09/05/2010)

  • “(...) Me preocupo muito com a questão ambiental ali, e realmente o caso de cachorros soltos está muito sério, e vejo que nada é feito. Está perigoso caminhar pelas ruas... Gostaria de ajudar e saber mais sobre sua atuação” (proprietário(a) de chácara do Jardins, por e-mail em 03/05/2010, em referência ao vídeo sobre ataque de cães)

  • “A Associação Comunitária Jardins de Petrópolis não credencia fiscais tampouco promove denúncias, porque acredita no zelo do proprietário com o meio ambiente” (Associação/"Condomínio" JP)

  • “Luís, bom dia... Muito legal o que você está fazendo. Acho que a administração do Condomínio está receiosa de colocar normas para não perder a arrecadação. Chiar, todo mundo chia, diante de novas regras, mas há que se impor. Parabéns” (proprietária de chácara do JP, por e-mail, em 19/04/2005. No biênio 2008/2009 foi síndica do condomínio, e principal responsável pelo desmatamento dos quase 5.000 m² de Mata Atlântica)

  • "Ei Xará, esta questão deveria ser levada a que setor da prefeitura, vc sabe? Tenho acompanhado seus emails e sempre fiquei indignado com o que os cachorros soltos representam como perigo para humanos e os outros animais. Moro na região a 27 anos e esta estória de cachorro solto pelas ruas é séria! Se souber em que setor da prefeitura a gente pode se informar melhor. Me comunique, falou? Abraços" (AMA - Aliança Municipal das Associações Comunitárias de Nova Lima, por e-mail, em 09/05/2010)

  • "Luis, os cães são os maiores afastadores da fauna silvestre. A fauna silvestre se alimenta de sementes da flora nativa, espalhando-as. Assim sendo, os cães domésticos soltos depredam a flora nativa, evitando a sua recomposição. Abraço e parabéns pelo blog que todo o mundo gosta de ler." (bióloga, por e-mail em 11/05/2010)

Luís Eduardo Lemos - morador do Jardins e representante do Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP

* HISTÓRICO DO JARDINS *

O Bairro Jardins de Petrópolis situa-se em Nova Lima-MG (Coord. geogr. 20°01'26"S e 43°52'54"O), a 20 km de BH, com acesso pela rod. MG-030. Está a 8 km de São Sebastião das Águas Claras (Macacos).

Características da região:

Era uma fazenda que na década de 70 foi loteada, transformando-se em áreas de chácaras para lazer e descanso. Pertence à Área de Proteção Ambiental Sul (APA - SUL) da RMBH, sendo classificado como Zona de Uso Predominantemente Residencial de baixa densidade demográfica (ZOR3). Possui área total de 633 hectares (sua área é maior que a sede do município), dividida em 843 chácaras de áreas mínimas de 5.000 m². Ainda pouco povoado, conserva na maior parte de seu território uma rica biodiversidade remanescente de Mata Atlântica. Situa-se às margens de uma serra denominada Morro do Pires, que embeleza a região com seu magnífico porte e que pode ser avistada de qualquer parte em que se esteja do residencial. Possui áreas verdes (áreas públicas) reservadas, que somam 740.000 m² de mata nativa com nascentes e córregos que deságuam no Ribeirão dos Macacos. No JP vivem diversas espécies da fauna e flora brasileira, como os mamíferos (veado campeiro, tatus,macacos e, até mesmo, as onças jaguatirica e suçuarana); aves (saíras, tucanos, pica- paus); répteis e anfíbios. A flora é constituída por uma vegetação que reúne espécies que variam entre o campo de altitude, cerrado e matas de galeria. Na parte mais baixa, por onde correm os vários cursos d'água, concentra-se uma vegetação de grande porte (mata de galeria), composta de várias espécies nobres como jacarandás, ipês, jequitibás, dentre várias outras (existe um jequitibá no JP que são necessárias cinco pessoas para abraçá-lo).

*** LOTEAMENTO FORA DA LEI ***

O loteamento Jardins de Petrópolis NÃO POSSUI LICENCIAMENTO AMBIENTAL. É URGENTE, que o Estudo de Impacto Ambiental - EIA/Licenciamento Corretivo sejam elaborados, visando a preservação de um riquíssimo patrimônio natural que a cada dia vem sendo destruído. Enquanto não forem feitos, o loteamento estará IRREGULAR, FORA DA LEI, em DESACORDO com a legislação ambiental.

JARDINS DE PÁSSAROS AO SOM DE VIOLA (AUMENTEM O SOM!)

Esse vídeo também está postado em: http://ecoeantigos.blogspot.com

Luís Lemos

CRIME CONTRA A NATUREZA: QUEM VOCÊ PENSA QUE É, "CONDOMÍNIO" JARDINS DE PETRÓPOLIS?

PÉSSIMO EXEMPLO! ONDE? NO JP, É CLARO!!

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE: O RETORNO

TRIBUTO AO JARDINS DE PETRÓPOLIS (c/som)

OPINIÃO PRESERVEJP

O Bairro Jardins de Petrópolis, com o crescimento dos últimos anos, vem passando por inúmeros problemas que ameaçam a preservação de seus recursos naturais. As questões ambientais não estão sendo tratadas com o devido respeito e com a importância que a região merece. Por possuir remanescentes de Mata Atlântica, inúmeras nascentes, córregos e várias espécimes da flora e fauna brasileira, é urgente, que medidas para a proteção dessa biodiversidade sejam tomadas. Instituições que deveriam por em prática mecanismos e ações de controle e fiscalização, além da adoção de políticas que priorizem a preservação do ecossistema local, não estão atuando de modo a inibir e acabar com a degradação existente. No bairro prevalece a política do “fingimos que não vemos”, onde quem é “amigo” e “sócio” fica isento do cumprimento de normas, leis e punições. Invasores de áreas verdes PÚBLICAS ficam impunes e sem ter que compensar os prejuízos causados ao meio ambiente; obras são iniciadas sem licenciamento ambiental; ilegalidades são aceitas e, por esses motivos, a rica biodiversidade do JP está ameaçada. Discursos hipócritas e poesias, ao invés de ações enérgicas contra quem degrada o patrimônio natural, não diminuirão, não acabarão com o caos ambiental vigente no, ainda, mas não se sabe até quando, paraíso ecológico Jardins de Petrópolis.

A VIDA CAMINHA NO JARDINS (FUTURA MAPAPALO)


O QUE ESTÃO FAZENDO E DEIXANDO QUE FAÇAM À BIODIVERSIDADE DE NOVA LIMA (c/som)

RECURSOS HÍDRICOS: Clique na foto e leia reportagem sobre o JP

Natureza em família


VÍDEO: MORTE NO JP (c/som)

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS
Faixa esticada no acesso a Macacos e ao JP (clique na foto acima e leia texto sobre essa questão)

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"
Clique no mapa acima e leia texto sobre essa questão

ÁREA VERDE INVADIDA

ÁREA VERDE INVADIDA

INVASÃO POR SATÉLITE

INVASÃO POR SATÉLITE
Faz um ano e meio que houve a "legalização da invasão" da área pública e até hoje não existe cerca separando a propriedade particular da área verde. Os animais da fauna silvestre estão sendo massacrados por cães e gatos

Reportagem sobre "legalização da invasão"

Reportagem sobre "legalização da invasão"

"Parecer favorável" à legalização da invasão

"Parecer favorável" à legalização da invasão
Que autonomia e autoridade uma associação de moradores tem, através do seu “Departamento de Meio Ambiente”, para dar um parecer favorável em uma questão que cabe apenas aos órgãos ambientais? Um parecer dado em 1999, e assinado por quem não é mais proprietário de terreno no JP, nem membro da associação, tem validade em 2005?

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagem sobre Fauna massacrada

Reportagem sobre Fauna massacrada
Jornal Folha de Nova Lima

JP perde Centro de Educação Ambiental

JP perde Centro de Educação Ambiental

Reportagem sobre Agenda 21

Reportagem sobre Agenda 21
Jornal O Correio, seção meio ambiente, 11 de junho de 2005

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão
"Condomínio Jardins de Petrópolis" e Prefeitura de Nova Lima impedem liberdade de expressão do movimento de cidadania PreserveJP". A faixa do movimento, que anunciava o endereço do blog, foi retirada por essas intituições, que não querem que os cidadãos que se preocupam com a preservação ambiental sejam informados sobre o que vem ocorrendo com o patrimônio público e ambiental de Nova Lima

Informativo ambiental do JP

Informativo ambiental do JP
Receba o PRESERVE por e-mail: envie mensagem para preservejp@gmail.com e saiba o que vem ocorrendo com o meio ambiente de uma linda região remanescente de Mata Atlântica

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente

Receba a Cartilha por e-mail, e saiba como agir para a preservação da região que você e sua família escolheram para morar e viver junto à natureza. Envie mensagem para: preservejp@gmail.com

DEPOIMENTO DE UMA CIDADÃ NOVA-LIMENSE

Prezado Luís,

Li todas as informações no PreserveJP... e achei fantástico. Sou nascida e vivente em Nova Lima. Aqui nasci, cresci, casei-me, sou mãe de três filhos, trabalho, sou pedagoga, tenho 62 anos e com alegria e tristeza cheguei ao final do seu blog.

Alegria.... Por termos uma natureza exuberante com uma flora e fauna como se fossem um brinde majestoso dado pelo Criador. Ele confiou quando presenteou-nos com esta dádiva. Serras azuis, verdes e multicores, bichos numa diversidade absurdamente integrada, sons, cheiros, barulhos. E ver e sentir um jovem consciente de uma responsabilidade vital e com olhar lá na frente é envolvente.

Tristeza.... Quando ouso pensar e vislumbrar o Criador, cabisbaixo, estarrecido numa constatação de erro ao confiar no Ser (?) humano um Planeta maravilhoso. Estragar este presente é falta de discernimento, falta de amor, é negar a vida.

Ao ver e ouvir o "Canyon no Córrego dos Macacos", vi águas falantes, tristes, perguntando sobre que direito tem o bicho humano de chegar, tomar posse e destruir como se fosse o Senhor da Razão e da Vida. Fiquei, no mínimo, arrasada. Aquelas águas falam.

Gostei. Não. Apaixonei-me pela causa, pela pessoa, pelos textos, pelas imagens, por todos os bichos das matas, pelas águas, pelas montanhas.
Continue. Dou-lhe o maior incentivo na forma de energia positiva. Afinal, a causa é por Nova Lima, a minha Nova Linda! Um grande abraço,

Mariléa Dieguez Protzner Peixoto - Pedagoga - Nova Lima - MG

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

RESPEITE O JARDINS DE PETRÓPOLIS

Em toda parte do planeta, sábias civilizações, tribos indígenas e grupos humanos de diversas crenças e culturas acreditam que existem entidades e espíritos que povoam, governam e protegem os ambientes da natureza, como o campo, as florestas, as montanhas, os rios, o mar, os animais, enfim, toda a biodiversidade. Vários estudiosos, expedicionários, viajantes, caminhantes e atletas, que por esses ambientes passam, também acreditam profundamente na existência deles. É muito conhecida a idéia de que o alpinista alcança o cume de uma grande montanha não quando ele quer ou pode, mas, sim, quando “A Montanha assim o permite”. Assim, antes de entrar e se aventurar no mar, num rio, numa floresta, você não precisa conhecer e seguir determinado ritual perante as entidades que lá estão. Simplesmente pare, observe a sua volta e escute. Assuma uma atitude acima de tudo, de muito respeito. Seja humilde. E peça licença para entrar, e proteção para sair. Certamente, dependendo do seu comportamento, as entidades lhe ouvirão. O Jardins de Petrópolis também tem suas entidades e espíritos que o governam e o protegem. Vamos respeitá-las. Dependendo do nosso comportamento, das nossas atitudes perante essas entidades e à biodiversidade, teremos esse paraíso ecológico preservado para nossos filhos, para as futuras gerações.
Luís Eduardo Lemos - Adaptação do texto do "Guia para Esportes de Aventura", do médico Clemar Côrrea

MANIFESTAÇÕES DE APOIO E ELOGIOS AO NOSSO TRABALHO

"Olá Luís Eduardo:

Parabéns pela sua luta. Com certeza você tem inspiração divina para reunir tanta força. Luta contra os insensíveis poderosos que por um punhado de dólares vendem a própria mãe. Postei sua matéria num bloguinho mais light que criei recentemente; http://ecoeantigos.blogspot.com/ O Blog anterior é este aqui, onde também repercuti seu valoroso Blog; http://www.desabafolandia2.blogspot.com/ Grande abraço nobre companheiro e que Deus te dê todas as forças necessárias para continuar o embate".

Sérgio

"Prezado Luis Lemos,

Como proprietário (futuro residente) compartilho com vc a luta pela preservação do nosso JP, e nesta data quero desejar um feliz 2008, que tenhas forças e comprometimento dos proprietários do JP para continuar com a árdua peleja pela manutenção da natureza no seu estado o mais natural possível. Um grande abraço,"

Nilson

Salve Luís, Muito bom o blog. Parabéns pela sua luta incansável! Cara é foda concientizar as pessoas, e mostrar o impacto q causam como no caso do ataque dos cachorros ao filhote de cervo q vc cita. Lugar de cachorro é na cidade!E por aí vai...É um belo local! O Brasil é realmente muito gde com muitos recônditos q nem imaginamos...Paz e luz!

Wagner Rodrigues - São Paulo - SP

"Nesse feriado de 15/11/07 tive o privilégio de conhecer o Jardins de Petrópolis no município de Nova Lima/MG e me encantei pela paixão com a qual luta Luís Eduardo Lemos pela preservação da fauna e flora da região local. Se tivéssemos mais pessoas como ele no nosso doente planeta Terra, certamente não estaríamos no caos que vivenciamos hoje. À você Luís Eduardo, e a todos os que abraçam essa nobre causa, o meu recado: INSISTAM, RESISTAM, PERSISTAM E JAMAIS DESISTAM...A Terra e seus habitantes agradecem.Parabéns pelo belo trabalho realizado!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Haylla Cavalcanti - Goiânia/GO

"Caro Luis Lemos,

Com muita satisfação recebi e acessei o blog do JP. Felizmente ainda podemos encontrar pessoas como vc, que é sim o verdadeiro guardião da natureza, que demonstra total equilíbrio e conhecimento com as suas atitudes e mostra todas as adversidades que se possa encontrar quando alguém tenta ser últil na preservação do meio ambiente. Sei que é uma briga de titãs, mas tentando se consegue, basta querer. Continue, sua luta é nobre, pois, quando a mãe natureza cobrar o seu espaço, só haverá um perdedor, "O HOMEM". Atenciosamente,

Mauro Reis de Aguilar - Polícia Ambiental de Nova Lima

"Luiz Eduardo,

muito obrigado pela apresentação de seu blog, o qual considerei excelente. Como amante da natureza, considero muito importante essas iniciativas que chamam a atenção das comunidades para com o devido tratamento a ela.

Cumprimento-o pela brilhante iniciativa, e que luzes Divinas o iluminem para que essa página seja cada vez mais otimizada, e que maiores camadas sociais a leiam e interajam."

Atenciosamente,

Roberto Félix

"Prezado Luís Lemos,

Parabéns pelo belíssimo, oportuno e necessário serviço de divulgação."

Atenciosamente,

Mônica Eustáquio Fonseca

"Caros organizadores,

Parabenizo a toda a equipe pela iniciativa do blog. Se todos tivessem esta disposição muitos dos conflitos locais poderiam ser divulgados e quiçá equacionados."

Bom trabalho a todos,

Isis Rodrigues Carvalho

"Oi Luis, como vai você? Poxa, você está lutando mesmo pelas causas ambientais. Eu sei que nosso trabalho é árduo, mas é persistir mesmo sem deixar nos abater. O Blog está ótimo, parabéns!"

Dirce, cidadã novalimense

"Luis, tudo bem? Acabo de fazer um bonito passeio pela natureza visitando o blog do JP. Ficou muito bom. Sinto esperança ao perceber que existem pessoas como vc que lutam pelo equilíbrio do sistema em que vivemos. O planeta terra ainda respira e suspira pela preservação de suas espécies. De nada adianta o progresso e o conforto que esse apregoa se não houver equilíbrio entre os seres vivos. Tudo que respira quer viver. Estou preocupada com a atividade de mineração no entorno de BH, precisamos ficar atentos com a fiscalização do MP e do IBAMA. Vamos em frente, a luta continua". Abraço,

Cláudia

"Prezado Luís,

Com satisfação acusamos o recbimento do Preserve JP. É alentador saber que existem pessoas que tranformam a sua preocupação e indignação em militância para as boas causas. Conte sempre com o nosso gabinete na Câmara de Vereadores de Nova Lima. Receba o nosso abraço,"

Marcelino Antônio Edwirges - Vereador-PT

"Oi Luis, tudo em paz? Obrigada pelas notícias do preserve jp, é sempre bom ter notícias de uma região tão linda como a nossa. Sempre bom tb ver que tem alguém como vc observando com atençao e energia o que pode ser feito pela preservação do meio ambiente. O mais importante é ter foco no que se acredita e nunca, nunca mesmo, desistir. Parabéns pelo seu trabalho,"

Cláudia Silva

"Luis,

Bom dia! Somos um grupo de moradores do Jardim Serrano que nos interessamos a colaborar e atuar efetivamente para a preservação da região. Esperamos um contato.
Abraços,"

Luciana Duarte


"Prezado Luiz,

Visitei o Blog preservejp e considero uma iniciativa importante para fomentar informações a respeito da preservação. Somente quando as pessoas são bem informadas podem se conscientizar e ter responsabilidades.

Gostaria de sugerir, se for possível, a inserção do link da AMDA no Blog; temos lutado muito pela preservação do Estado e a região da Apa Sul tem sido contemplada por várias ações nesse sentido.
Um abraço,"

Elizabete


“Luis Eduardo,

Parabéns pela perseverança. A equipe do JP está fazendo um trabalho maravilhoso. O mundo precisa de pessoas como vocês, pessoas que acreditam e lutam em favor da VIDA. Eu também venho trabalhando em favor da preservação de uma área que, até a década de 80, formava um corredor ecológico com a Mata do Jambreiro. Precisamos trocar figurinhas. Tenho muito a aprender com vocês. Faça contato. Mais uma vez. PARABÉNS! Contem comigo.”

Eliana/SMAMA BH- Gerência de Educação Ambiental


Frases e citações do Movimento PreserveJP

"SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS, VAMOS DEFENDER A BIODIVERSIDADE DO JARDINS DE PETRÓPOLIS. SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS."

Cidadãos do Movimento PreserveJP (adptação da letra da música "O anjo mais velho" - Trupe do Teatro Mágico)

"NÃO ACEITAMOS E NÃO ADMITIMOS QUALQUER TIPO DE CENSURA À NOSSA ATIVIDADE LÍCITA E CÍVICA, A SABER, A NOSSA LIVRE EXPRESSÃO DE OPINIÃO, O NOSSO EXERCÍCIO DE CIDADANIA"

Luís Lemos, cidadão, e sempre, não por hora, defensor incondicional do patrimônio ambiental do JP


"NUNCA DUVIDE DA CAPACIDADE DE UM PEQUENO GRUPO DE DEDICADOS CIDADÃOS PARA MUDAR OS RUMOS DO PLANETA. NA VERDADE, ELES SÃO A ÚNICA ESPERANÇA DE QUE ISTO POSSA OCORRER" Margareth Nead


"CORAGEM NA ESPERA PÚBLICA PRESSUPÕE MOSTRAR AOS OUTROS, POR MEIO DA PALAVRA E DA AÇÃO, PARA O MELHOR E O PIOR, QUEM SE É E DO QUE SE É CAPAZ" Hannah Arendt - filósofa


Avifauna do JP: Tangará dançador

Avifauna do JP: Tangará dançador

MOSAICO - JP FAUNA

MOSAICO - JP FAUNA
Aves Socó e Gavião, lagarta e sapinho

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?